Fonte: OpenWeather

    Sem Categoria


    Mulher morre após complicação cirúrgica e marido denuncia negligência em hospital

    O marido da vítima registrou um Boletim de Ocorrência (B.O.) no 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP), denunciando a negligência do hospital e médico responsável pela operação - foto: Arthur Castro
    O marido da vítima registrou um Boletim de Ocorrência (B.O.) no 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP), denunciando a negligência do hospital e médico responsável pela operação - foto: Arthur Castro

    A dona de casa Cláudia Veiga de Lima, 26, morreu, na noite deste domingo (17), após fazer uma cesariana para a retirada do filho prematuro no Instituto da Mulher Dona Lindu, localizado na rua Recife, bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul de Manaus.

    Cláudia deu entrada no Instituto da Mulher na última terça-feira (12), com fortes dores na região abdominal. Os médicosplantonistas afirmaram que a paciente estava entrando em trabalho de parto prematuro e a encaminharam para realizar alguns exames de rotina.

    Após o resultado de uma ultrassonografia, foi solicitada uma cesariana de emergência para a retirada do bebê – foi alegado que a criança corria risco de vida, pois a mãe estava perdendo muito líquido. Porém, disseram que a maternidade estava desprovida de material e equipe para a realização da cirurgia. Em seguida, Cláudia foi levada para a sala de operações para a realização da cesariana – depois que o marido, Denis de Oliveira, 44, ameaçou processar o hospital.

    De acordo com Denis,a esposa foi vítima de negligência médica. Ele conta que viu o momento em que a esposa estava em trabalho de parto, enquanto era atendida pelo obstetra Cláudio Motta.“Ele [o médico] estava fazendo o parto de qualquer jeito. A minha esposa estava sendo tratada como um animal, pois ele tentava puxar o bebê com violência e como não teve sucesso. Foi necessário que um residente entrasse no lugar dele para retirar a criança da barriga dela”, contou.

    A tia da paciente, Daiane Costa da Silva, 31, disseque, após o parto, a paciente ainda ficou internada durante três dias sentindo fortes dores estomacais. Os parentes da vítima exigiram que os médicos avaliassem o estado da paciente, mas nada foi feito. Depois de muita insistência dos familiares, foi constatado que a vítima estava sofrendo de uma infecção – ela foi levada imediatamente à sala de operações para uma segunda cirurgia de emergência.

    Cláudia faleceu devido às complicações da intervenção cirúrgica. Os familiares acreditam que a infecção ocorreu devido à cirurgia mal sucedida. No laudo consta que a paciente morreu devido a um choque séptico e uma lesão profunda no intestino delgado. A região intestinal da vítima foi perfurada durante a cirurgia realizada na hora do parto.

    O marido da vítima registrou um Boletim de Ocorrência (B.O.) no 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP), denunciando a negligência do hospital e médico responsável pela operação.

    O EM TEMPO Online entrou em contato com a assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde de Estado (Susam), mas não obtivemos sucesso.

    Por Narel Desiree (especial EM TEMPO Online)