Fonte: OpenWeather

    Sem Categoria


    Corpo de mulher é encontrado enrolado em colchão e parcialmente carbonizado, na Zona Leste

    Vítima morava sozinha no imóvel. - foto: divulgação/Corpo de Bombeiros
    Vítima morava sozinha no imóvel. - foto: divulgação/Corpo de Bombeiros

    O corpo da industriária Maria do Carmo Rodrigues, 43, foi encontrado amarrado e parcialmente carbonizado na madrugada desta sexta-feira (19), em cima de uma cama, num cômodo da própria residência, situada na rua César Dias, bairro Armando Mendes, Zona Leste de Manaus.

    O Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM) foi acionado por volta de 3h13, após vizinhos perceberem um incêndio dentro do imóvel. De acordo com o tenente Janderson Lopes, ao entrarem no local para realizar o combate às chamas, os bombeiros se depararam com o corpo da mulher enrolado em um colchão, com os pés carbonizados e as mãos amarradas para trás.

    Segundo informações da perícia criminal da Polícia Civil, Maria do Carmo pode ter sido morta por estrangulamento antes de ter sido queimada. A vítima, que morava sozinha na residência, era mãe de um presidiário. A polícia trabalha com a hipótese de que a mulher possa ter sido assassinada por conta disso, mas não descarta outras hipóteses.

    O titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Ivo Martins, informou que outra suposição é de que o crime possa ter sido passional.

    “Ela foi encontrada com as mãos amarradas e com os pés queimados. O incêndio ocorreu para ocultar o corpo, então trabalhamos com a hipótese de queima de arquivo. Vários fatos foram observados pela investigação, como o fato dela ser mãe de presidiário, além de um relacionamento amoroso que ela tinha”, disse Martins, acrescentando que o celular da vítima desapareceu.

    O delegado informou ainda que imagens dos circuitos internos de segurança de casas vizinhas serão solicitadas para auxiliar na identificação do autor do homicídio.

    O Instituto Médico Legal (IML) foi acionado para fazer a remoção do corpo.

    Por Cecília Siqueira (especial EM TEMPO Online)