Fonte: OpenWeather

    Sem Categoria


    Braga diz estar disposto a renunciar cargos de senador e ministro para assumir governo do Amazonas

    O ministro está na capital amazonense para a entrega de 159 geradores para comunidades e municípios do Estado - foto: divulg
    O ministro está na capital amazonense para a entrega de 159 geradores para comunidades e municípios do Estado - foto: divulgação

    Em visita a Manaus, na manhã desta sexta-feira (24), o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga (PMDB), disse estar disposto a correr o risco de perder o mandato de senador, ao qual terá de renunciar, e abrir mão do cargo no governo Dilma Rousseff para assumir o governo do Amazonas, mesmo sub judice.

    Braga aguarda decisão da presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), a ser divulgada na próxima segunda-feira (28), a quem pediu a imediata destituição de José Melo (Pros) e a nomeação dele como governador, após decisão que cassou o mandato deste último.

    O ministro disse que abriria mão dos cargos federais mesmo sabendo que Melo pode recorrer da decisão ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    “Tudo o que fui e sou devo ao Amazonas. Portanto, a minha gratidão eterna será ao povo. Eu sempre estarei disposto a trabalhar e me dedicar intensamente a ajudar o povo do Amazonas”, declarou Braga.

    O ministro está na capital amazonense para a entrega de 159 geradores para comunidades e municípios do Estado. “Tenho visto o nosso Estado sofrendo com atrasos de pagamento, secretário de Saúde tendo que ir ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas falar de salários atrasados e tudo isso dói no meu coração. Estou debaixo da vontade de Deus e a decisão da Justiça brasileira”, discursou.

    Quanto à possibilidade de antecipar o seu pedido de afastamento do cargo de ministro, Braga foi cauteloso. “Uma coisa de cada vez. A Justiça do Amazonas está concluindo o seu trabalho e logo a seguir terá o papel da Justiça federal em segunda instância, no TSE. Portanto, não comentarei o mérito até que isso seja julgado. Depois, sim, vamos falar sobre o mérito, as questões e as soluções para os problemas que o Amazonas precisa e o povo está sofrendo precisando de ajuda”, declarou.

    Sobre a divisão no PMDB, em que o grupo ligado ao presidente Michel Temer (SP) romper com o governo da presidente Dilma Rousseff, o ministro foi diplomático e preferiu dizer que vai aguardar até o dia 29 deste mês quando o diretório nacional deve decidir se continua ou não ao lado de Dilma.

    Eduardo Braga afirmou que antes de participar da entrega dos grupos geradores teve uma conversa por telefone com o vice-presidente Michel Temer, com o ex-presidente José Sarney e com o presidente do Senado, Renan Calheiros, para que fossem traçadas estratégias para buscar soluções para o Brasil.

    “Discutimos como podemos construir alternativas que representem uma conciliação com a nação que permita que o PMDB não seja aquele que fratura a “perna da democracia”, mas sim aquele que fortalece a democracia e constrói soluções para vencer o impasse”, afirmou o ministro das Minas e Energia.

    Por Augusto Costa