Fonte: OpenWeather

    Sem Categoria


    Alfredo continua no PR e diz que Lula já sabia do seu voto favorável ao impeachment

    Alfredo renunciou ao cargo de presidente nacional do PR, durante votação a favor do impeachment - foto: Kattiúcia Silveira
    Alfredo renunciou ao cargo de presidente nacional do PR, durante votação a favor do impeachment - foto: Kattiúcia Silveira

    Mesmo após ter renunciado à presidência  nacional do Partido da República, o federal Alfredo Nascimento declarou, na tarde desta segunda-feira (18), que não vai deixar a sigla. Ele também afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já sabia qual seria seu voto a respeito do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

    De acordo com o  parlamentar, o voto, inicialmente, seria  conforme orientação de seu partido - que  se declarou contra o processo - mas na hora, surpreendeu a todos quando renunciou ao cargo de presidente nacional da sigla e votou pelo ‘SIM’ do impeachment. Conforme Alfredo, duas horas antes de começar a votação, ele se reuniu com Lula e revelou a mudança de sua postura.

    As declarações foram dadas durante uma coletiva de imprensa, realizada no Aeroporto Eduardo Gomes, localizado na Zona Oeste, onde o parlamentar foi recebido com aplausos de membros do partido, como o pré-candidato a prefeitura de Manaus, Marcelo Ramos. O deputado garantiu que, mesmo abdicando do cargo, continua no partido, já que também é presidente do Diretório Estadual.

    “Eu fui procurado ontem por Lula e  disse: presidente me desculpe,  mas ontem esse voto não era meu, nem do meu partido, nem do governo, era do povo. Das pessoas que me elegeram”, comentou.

    Questionado se isso seria uma “vingança” por ter sido demitido do cargo de ministro de transportes, em 2011, o deputado disse que não era uma questão pessoal e não guardava mágoas.

    “Eu fui acusado, sai do ministério e depois inocentado das acusações. Meu voto não foi uma escolha pessoal, e sim uma decisão majoritária do povo. E eu não podia contrariar a escolha da maioria. O partido ainda faz parte da “base do governo”, contou o parlamentar que falou ainda não ter recebido nenhuma “proposta” para assumir o cargo de confiança do Governo Federal.

    Segundo o deputado, na próxima terça-feira (19), deve mandar a carta de renuncia ao PDT do cargo de presidente nacional da sigla.

    Por Kattiúcia Silveira

     

    Mais lidas

    1. Em trabalho de parto, mulher dá à luz em carro com ajuda de PMs