Fonte: OpenWeather

    Fechamento


    Sem energia elétrica, moradores podem bloquear trânsito na BR-174

    Presidente da comunidade diz que a região está há 12 dias sem energia elétrica e que todas as solicitações feitas à empresa Eletrobras Distribuição Amazonas ainda não foram atendidas

    Moradores ameaçam fechar a rodovia, caso a Eletrobras não resolva a situação | Foto: Marcio Melo/Em Tempo

    Presidente Figueiredo - A comunidade Rio Branquinho, localizada no km 68 da BR 174 (Manaus-Boa Vista) está sem energia por mais de uma semana, conforme denunciou o presidente comunitário Israel Ferreira Feitosa, de 42 anos, nesta quarta-feira (12).

    Ele alega já ter entrado em contato com a Eletrobras Distribuição Amazonas e até momento, segundo o morador, não houve retorno. Israel ameaça que se não houver contato imediato sobre o problema, moradores irão bloquear o tráfego de veículos na rodovia federal, como forma de chamar atenção da concessionária. 

    A comunidade que, segundo Israel, vive da agricultura, sofre com a falta de energia há vários dias. Segundo o presidente da associação dos moradores, o não funcionamento das bombas d'água acarreta em um grande desperdício de alimentos produzidos na região.

    Rodovia BR 174
    Rodovia BR 174 | Foto: Marcio Melo/Em Tempo

    "A comunidade vive da produção de hidropônicos, tanques de peixes e plantação de legumes. Essa falta de energia acaba dificultando também esses processos. O fechamento da via é para ver se eles [funcionários da Eletrobras] parem de falar que vêm resolver o problema, sem aparecer aqui. São mais de 1900 famílias sofrendo com isso", justificando.

    A reportagem entrou em contato com a empresa responsável pelo fornecimento de energia elétrica na região e até à publicação desta matéria não houve retorno. O espaço fica aberto para o posicionamento da Eletrobras sobre o caso.  

    *Colaborou: Victor Falcão

    Leia mais 

    Sem acordo, Sindicato dos Rodoviários sinaliza nova greve em Manaus

    Familiares e amigos fazem homenagem à idosa e sobrinho mortos no AM

    Ex-funcionários da Unimed marcam manifestação por falta de pagamento