Fonte: OpenWeather

    Queda de Avião


    Vítimas de acidente aéreo no AM são resgatadas com vida

    A aeronave caiu próximo a uma aldeia indígena, em Tabatinga

    O piloto e dois passageiros foram resgatados com vida e conscientes
    O piloto e dois passageiros foram resgatados com vida e conscientes | Foto: Divulgação/Esquadrão Harpia/FAB

    Tabatinga (AM) - A Força Aérea Brasileira (FAB) acionou, na manhã desta terça-feira (18), um helicóptero H-60 Black Hawk, do Esquadrão Harpia (7º/8º GAV), para realizar o resgate dos três sobreviventes de um acidente aéreo que aconteceu na noite de segunda-feira (17) próximo à cidade de Tabatinga (a quase 1.110 km de Manaus), na fronteira com o Peru.

    Os militares da FAB resgataram, todos conscientes, o piloto e dois passageiros, um homem e uma mulher, além de um cachorro que os acompanhava na aeronave. Não havia espaço para o pouso do helicóptero e as vítimas foram içadas. Eles foram levados para Tabatinga onde duas viaturas do Exército Brasileiro aguardavam para levá-los ao atendimento médico.

    Segundo informações do Salvaero Amazônico, a aeronave em que estavam os sobreviventes, de matrícula PTKIL, declarou situação de emergência e caiu em seguida, nas proximidades de uma aldeia indígena. Para realizar o resgate, o helicóptero da FAB decolou às 4h (horário local) de Manaus com destino ao local do acidente. 

    Conforme explica um dos pilotos, Tenente Lucas Santos Bezerra Lopes, a aeronave levou a bordo todos os equipamentos necessários ao resgate, além de uma equipe especializada, para fazer os primeiros socorros antes do transporte. A tripulação é composta por dois pilotos, três tripulantes, três militares de resgate, um médico e um enfermeiro.

    Todas as vítimas estavam conscientes, segundo médico que acompanhou o resgate
    Todas as vítimas estavam conscientes, segundo médico que acompanhou o resgate | Foto: Divulgação/Esquadrão Harpia/FAB

    "Um dos desafios que tivemos nessa missão foi que, pelo horário de decolagem, antes do nascer do sol, foi necessário o uso de óculos de visão noturna", afirma. Foram em torno de seis horas de voo e dois abastecimentos no trajeto da aeronave.

    Devido às características da localidade, não houve o pouso da aeronave. Foi preciso içar as vítimas com o guincho do helicóptero. Segundo o médico que acompanhou a missão, Capitão Waldyr Moyses de Oliveira Junior, todas as vítimas estavam conscientes e foram necessárias algumas medidas, como estabilização da coluna, medicação para dor e cuidados iniciais com os ferimentos.

    "O piloto era o mais velho, em torno de 55 anos, e era o que estava mais ferido. Tinha dor nas costas e formigamentos nas pernas, o que nos levou a suspeitar de lesão na coluna. Por isso, triplicamos nossos cuidados ao manuseá-lo. Mesmo com tempo chuvoso e as dificuldades do local, fomos até lá e realizamos o resgate. Ninguém ficou para trás", disse ele, que é Chefe da Subseção de Saúde Operacional do Hospital de Aeronáutica de Manaus.

    *Com informações da assessoria 

    Leia mais:

    Criança ferida na queda de avião em SP deixa UTI

    MP-AM pede interdição de pista de pouso e decolagem de Pauini

    Equipes de busca encontram fuselagem de avião na Indonésia