Fonte: OpenWeather

    violência contra a mulher


    Mulheres violentadas que pedem ajuda em farmácias são acolhidas

    A Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher já iniciou os atendimentos de mulheres que buscam ajuda através da campanha "Sinal Vermelho"

    No Amazonas, 73 estabelecimentos estão cadastrados na campanha
    No Amazonas, 73 estabelecimentos estão cadastrados na campanha | Foto: Divulgação

    Manaus - A Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher (DECCM) da Polícia Civil do Amazonas(PC-AM) está realizando atendimentos às vítimas de violência doméstica durante a campanha ‘Sinal Vermelho’. Criada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), com intuito de ajudar mulheres em situação de violência doméstica a solicitarem apoio nas farmácias do país. 

    Conforme a delegada Ivone Azevedo, titular da DECCM zona Sul, esse tipo de crime ainda é uma realidade e cada vez mais mulheres são vítimas de violência, anda mais, nesse momento de pandemia, quando, na maioria das vezes, elas não conseguem acesso a um aparelho celular, além de não conseguirem se deslocar até uma unidade policial para formalizar a denúncia.

    Buscando ajuda na farmácia 

    “Sendo assim, na campanha ‘Sinal Vermelho’, as vítimas que conseguirem ir a uma farmácia poderão pedir ajuda com um ‘X’ desenhado na cor vermelho na palma da mão, que pode ser feito com batom, caneta ou outro material acessível a ela. O atendente da farmácia cadastrada, no projeto, estará treinado e irá fazer o acolhimento da vítima e de acordo com o protocolo estabelecido, deve comunicar o caso à delegacia”, detalha Ivone. 

    No Amazonas, 73 estabelecimentos estão cadastrados na campanha, dentre eles: Drogarias Santo Remédio (com 46 unidades na capital), Drogarias Pague Menos (com 19 unidades em Manaus, uma em Manacapuru, uma em Itacoatiara e uma em Parintins), Drogarias Riachão (quatro na capital) e Drogaria Pharmamed (uma em Manaus). 

    A autoridade policial informou, também, que após os policiais militares serem acionados por meio do 190, as vítimas serão encaminhadas para uma das unidades da DECCM, que estão localizadas nas zonas centro-sul, sul ou norte/leste, onde prestarão depoimento e, a partir disso, serão realizados todos os procedimentos judiciais cabíveis para tirá-las da situação de violência em que se encontram.


    Leia mais

    Eduardo Braga é um dos 100 mais influentes do Congresso Nacional

    Mulher tenta escapar de incêndio, se desequilibra de janela e morre

    Veja também