Fonte: OpenWeather

    Cheia na Amazônia


    Manaus terá em 2021 a sétima cheia severa em dez anos, aponta pesquisa

    Este ano a cheia deve ultrapassar a cota de emergência do Rio Negro em Manaus de 29 m, de acordo com previsão de cheia

     

    Cheias na Amazônia são cada vez mais frequentes
    Cheias na Amazônia são cada vez mais frequentes | Foto: Jochen Schongart/Inpa

    MANAUS (AM) - Este ano a cheia deve ultrapassar a cota de emergência do Rio Negro em Manaus de 29 m, de acordo com previsão de cheia baseada em diferentes modelos, sustentando a previsão oficial já divulgada pelo Serviço Geológico do Brasil

    Ruas alagadas, casas submersas e pessoas transitando por cima de pontes de madeira em bairros da área central de Manaus é um cenário que deve voltar este ano. Com as chuvas acima da média na Amazônia Central e Ocidental, a previsão é de cheia severa em Manaus.

    A previsão da cheia baseada no modelo elaborado pelo pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), Jochen Schöngart, indica que a cota máxima do Rio Negro deve atingir 29,51 metros, em média, com margem de erro de 30 centímetros para cima ou para baixo (29,21 m-29,81 m).


    Cheia severa

     

    Com a nova marca para a cheia de 2021, este deve ser o sétimo evento de cheias severas nos últimos dez anos
    Com a nova marca para a cheia de 2021, este deve ser o sétimo evento de cheias severas nos últimos dez anos | Foto: Jochen Scongart/Inpa

    Com a nova marca para a cheia de 2021, este deve ser o sétimo evento de cheias severas nos últimos dez anos (2012, 2013, 2014, 2015, 2017, 2019 e 2021). A previsão de cheia do Inpa reforça a previsão oficial do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) publicada no dia 31 de março de 2021. Os novos alertas de cheias da CPRM estão previstos para 30 de abril e 31 de maio.

    Programa

    Os estudos e modelos desenvolvidos por Schöngart passaram por revisão e foram transformados  no projeto: "Prevendo a evolução da bacia hidrográfica da Amazônia para prever o nível da água",, financiado pelo Fundo Newton por meio do programa bilateral Climate Science for Service Partnership (CSSP) Brasil do Met Office (Reino Unido).

    A finalidade do Peacflow é apoiar a previsão oficial de enchentes realizada pela CPRM em Manaus no final de março, fornecendo informações adicionais para a implementação efetiva de ações de gestão de risco de desastres. 

    Impactos 


    As cheias extremas resultam em graves problemas de saúde pública, perda de infraestrutura, propriedades e afeta vários setores socioeconômicos, como a agricultura e pecuária nas várzeas.  Com a pandemia de Covid-19, exige atenção a mais das políticas públicas e da população.

    "

    A necessidade de abandonar as moradias alagadas em zonas urbanas e regiões rurais afetadas pode contribuir para um aumento de infecção por SARS-CoV-2 e da variante P.1”, alerta Schöngart, doutor em ciências florestais e vice-coordenador do Grupo de Pesquisa em Ecologia, Monitoramento e Uso Sustentável de Áreas Úmidas (Maua). "

    Jochen Schongart, Pesquisador do INPA

     

     “Uma possível terceira onda da pandemia pode coincidir com a ocorrência da cheia e exige um intenso monitoramento e preparo pelas políticas públicas competentes para mitigar os impactos que podem resultar da sinergia da cheia e do intenso aumento de casos da Covid-19”, completou.


    De acordo com o Schongart, o aumento da magnitude e frequência de eventos de cheias severas na região da Amazônia Central durante as últimas três décadas, chamado de ‘intensificação do ciclo hidrológico’, é resultado de uma complexa interação dos grandes oceanos que influenciam por meio do aquecimento e esfriamento das suas águas superficiais grandes circulações atmosféricas influenciando a convecção de nuvens, chuvas e o regime hidrológico dos rios na Bacia Amazônica.

    La Ninã


    Neste ano, o esfriamento anormal das águas superficiais do Pacífico Equatorial na região central-leste, conhecido como La Niña, contribuiu, junto com as águas superficiais do Atlântico Tropical aquecidas, numa maior convecção de nuvens e chuva em boa parte da bacia Amazônica.

    O resultado é o expressivo aumento da amplitude a partir no nível mínimo da água registrado no Porto de Manaus (16,60 m), no ano passado. “O nível da água de hoje (09/04/2021) já está mais que 11 m acima do nível mínimo da água do ano passado (27,75 m) e ainda vai aumentar até meados de junho.

    Somente nos anos das três maiores cheias históricas registradas em Manaus em 2012 (29,97 m), seguido de 2009 (29,77 m) e 1953 (29,69 m), o nível da água foi maior nesta data em comparação com 2021”, contou Schongart.   

     

    Valores médios com desvio padrão, mínimos e máximos do nível da água diário do Rio Negro monitorado no Porto de Manaus (período de 1903 a 2020).  A linha vermelha indica a evolução da enchente de 2021 e a linha pontilhada horizontal a Cota de Emergência de 29 metros.
    Valores médios com desvio padrão, mínimos e máximos do nível da água diário do Rio Negro monitorado no Porto de Manaus (período de 1903 a 2020). A linha vermelha indica a evolução da enchente de 2021 e a linha pontilhada horizontal a Cota de Emergência de 29 metros. | Foto: INPA

    Previsões contribuem com políticas públicas

    O pesquisador lembra que a intensificação do ciclo hidrológico é um grande desafio para as políticas públicas que precisam ser ajustadas à essa nova realidade.

    As previsões sazonais de pico de cheias com um longo tempo de antecedência fornecem uma ferramenta confiável para as políticas públicas e os tomadores de decisão para prevenir e mitigar os impactos causados por estes eventos severos nas populações urbanas e rurais e nos setores socioeconômicos.

    “Isso é de fundamental importância para o desenvolvimento sustentável da região amazônica, cada vez mais impactada por extremos eventos hidro-climáticos”.  

    Peacflow

    Com base nos estudos e modelagens, o Inpa propôs durante a IV Oficina Científica Anual do  Climate Science for Service Partnership (CSSP) Brasil em Manaus no ano de 2019, a criação de um consórcio de cientistas do Reino Unido (National Centre for Atmospheric Science - NCAS, University of Reading no Reino Unido) e das três unidades de pesquisa do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) – Inpa, Inpe e Cemaden –, para desenvolver um sistema de previsão sazonal com longo tempo de antecedência para o nível máximo anual da água do Rio Negro/Solimões em Manaus, Amazônia Central, com potencial para expandi-lo no futuro para outros locais estratégicos na Bacia Amazônica.

    Novo Método

    De acordo com Schöngart, o novo método inclui o uso de variáveis preditoras, como precipitação, nível de água do rio e condições dos oceanos Pacífico e Atlântico observadas em meses anteriores.

    Os níveis máximos de água dos rios Negro e Solimões, que geralmente ocorrem no mês de junho, são fortemente influenciados pelas chuvas nas suas extensas cabeceiras durante os meses de novembro a fevereiro, já que a extensa rede de rios e áreas úmidas reduzem a propagação das ondas de inundação por meses.

    Leia mais:

    Bosque da Ciência do Inpa celebra aniversário com programação on-line

    Perdas na Floresta Amazônica podem estar aquecendo o clima, diz estudo

    Risco de terceira onda da Covid no Amazonas preocupa autoridades