Venezuela


Fronteira fechada pode atrapalhar voos de Manaus para o Caribe e EUA

Alguns clientes, que compraram viagens para Margarita, Miami e outros pontos dos Estados Unidos e do Caribe, estão aflitos com a situação do fechamento do espaço aéreo venezuelano

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro também bloqueou o espaço aéreo
O presidente venezuelano, Nicolás Maduro também bloqueou o espaço aéreo | Foto: Flight Radar


Manaus - O fechamento da fronteira entre a Venezuela e o Brasil atingiu em cheio a aviação comercial, com os voos que sairiam do Amazonas com destino ao Caribe e América do Norte. O Em Tempo ouviu empresários de agências de viagens em Manaus que trabalham com pacotes de excursão. 

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, mandou bloquear a divisa da Venezuela com o Brasil para impedir que Bolsonaro enviasse ajuda humanitária de remédios e alimentos aos venezuelanos pela fronteira de Pacaraima, em Roraima, na última quinta-feira.

O empresário Acram Isper, da Agência Acram Turismo, diz que os voos que saem do Brasil em direção aos Estados Unidos e ao Caribe, passam pelo espaço aéreo da Venezuela, setor também bloqueado por Maduro.

“Agora com o fechamento da fronteira, os aviões terão que fazer uma rota alternativa. Alguns já cancelaram os voos porque custa caro mudar a rota do avião. Gasta bem mais combustível”, detalha Tio Acram. 

Com a sua experiência em passagens aéreas, Acram diz que cabe as companhias aéreas arrumarem uma alternativa para os voos ou optarem pelo cancelamento das viagens.

“Sobre os meus voos fretados, eu ainda estou aguardando o posicionamento das companhias para saber qual será o plano. Se eles serão desviados pelo Suriname ou se vão passar pela Colômbia”. 

Os voos que saem de São Paulo vão direto fazendo um desvio circular pela Colômbia, já os de Manaus são os problemáticos, porque precisam fazer um desvio maior, o que também, obviamente, causa um maior consumo de combustível das aeronaves.  

Acram revelou ainda que depois do Caribe, o espaço aéreo da Venezuela era o que tinha o pedágio mais caro da América do Sul. “Os venezuelanos vão perder dinheiro com isso inclusive”, completou.  

Alguns clientes, que compraram viagens para Margarita, Miami e outros pontos dos Estados Unidos e do Caribe, estão aflitos com a situação do fechamento do espaço aéreo venezuelano. 

Leia mais: