Fonte: OpenWeather

    Denúncia


    Criança morre após inalação em UPA e prontuário é negado à família

    Família disse que a pequena Alice pode ter sido medicada com superdosagem de berotec. No entanto, o médico suspeitou de meningite e Susam apura o caso

    A criança era saudável e alegre, de acordo com a família
    A criança era saudável e alegre, de acordo com a família | Foto: Arquivo pessoal

    Manaus - Os familiares da pequena Maria Alice da Silva Vilagelim, de apenas 3 anos, querem explicações para o verdadeiro motivo do falecimento da menina, ocorrido dentro da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) José Rodrigues, no bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus, na madrugada desta sexta-feira (15).

    Alice deu entrada ainda na UPA onde à noite, com quadro de febre alta. A família diz que houve negligência médica, por superdosagem de medicação. 

    A mãe de Alice, Fernanda Nascimento, disse que, pela manhã, quando estava ainda na escola, a menina estava com calafrio e febre. Antes disso, a criança não apresentava histórico de outras doenças graves.

    “Minha filha era uma menina saudável, tinha doenças normais de criança. Saiu de casa de manhã sorrindo e feliz para ir à escola”, lembrou a mãe emocionada. 

    A primeira entrada em unidade de saúde foi no Pronto-Socorro do Galileia, também na Zona Norte, por volta das 9h da manhã dessa quinta (14). Segundo Fernanda, a filha estava com 38 graus de febre e a médica que fez o atendimento a levou imediatamente para ser medicada com dipirona. No entanto, em seguida, mãe e filha foram liberadas. “Sempre levava ela no Galileia com febre e nunca fizeram um exame nela”, diz Fernanda.  

    Após serem liberadas, mãe e filha foram para casa, mas o quadro da menina só piorou. “Chegamos por volta das 18h, quando ela tomou banho. Depois desse banho, notei que minha filha ficou desorientada, tremendo e com os pés roxos”, relata a mãe. Logo após, a família foi até a UPA José Rodrigues, na Cidade Nova.

    Já na unidade de saúde, a família conta que aplicaram soro na veia de Alice. No entanto, a mãe notou manchas roxas pelo corpo da menina e questionou a equipe médica. Segundo a mulher, nesse momento, o médico afirmou que as manchas já estavam no corpo da menina antes mesmo de ter chegado à UPA. Porém, Fernanda negou e lembra que afirmou para todos que as manchas teriam aparecido surgido naquela ocasião. 

    A menina foi, então, levada para o setor de inalação, onde foi medicada com berotec e atrovent. Depois de duas inalações, Fernanda detalha que as manchas subiram também para a região da cabeça de Alice. Vendo a transformação no corpo da filha, a mãe relata que acionou a equipe médica imediatamente. 

    Pela manhã, Alice saiu de casa sorrindo para ir à escola. Durante a noite, passou mal e foi internada
    Pela manhã, Alice saiu de casa sorrindo para ir à escola. Durante a noite, passou mal e foi internada | Foto: Arquivo pessoal

    Segundo Fernanda, tentaram coletar o sangue da paciente, mas não conseguiram. Em seguida, a equipe médica teria tentado novamente, só que dessa vez em uma das veias jugulares. Depois disso, Alice foi separada da mãe e levada para a sala de urgência. O fato, segundo Fernando, foi por volta de meia-noite.

    "Quarenta minutos depois, o médico me disse que tinha conseguido coletar o sangue e que ela estava bem, fiquei até mais aliviada. Mas quando foi 1h da madrugada ele surge e me dá a notícia de que ela estava morta", disse Fernanda. 

    Prontuário e laudo

    Confirmada a morte de Alice, a família conta que luta para esclarecer o que realmente causou a morte da menina. “O médico me disse que foi princípio de meningite, mas no laudo consta síndrome febril. Então, tem alguma coisa errada aí. Tanto que a empresa funerária disse que o laudo está incompleto. Foi negligência, eu tenho certeza, eles mataram minha filha”, acusa Fernanda. 

    A família desconfia que uma suposta superdosagem de berotec tenha afetado o coração e causado a morte de Alice. “Ela faleceu roxa. Os médicos ainda tentaram tirar o sangue dela viva, não conseguiram porque o sangue coagulou. Teve a primeira inalação e uma hora depois a segunda, foi quando ela começou a ficar roxa”, disse o pai de Fernanda e avô de Alice, Paulo César. 

    “A gente queria saber qual foi a dosagem de berotec que deram para ela. Beretoc em grande quantidade faz mal até para um adulto, imagine para uma criança de três anos. Mas quando fomos pedir o prontuário médico, não tivemos acesso. Nem sequer para tirarmos uma foto e ter conhecimento de como a minha neta estava”, reclama Paulo César. 

    Alice foi velada nesta sexta-feira (15), mas o horário e local não foram divulgados pela família. 

    Susam

    Por meio de nota, a direção da UPA José Rodrigues esclareceu que "a paciente deu entrada na unidade com  febre de 39,1° e relatos de tosse e vômitos há um dia, negando alergia. No primeiro atendimento, o médico prescreveu remédio para febre e vômito, soro fisiológico e soro oral a cada 10 minutos".

    Ainda segundo a nota, "às 20h51 a paciente foi atendida novamente e a aferição da temperatura apontou 37,7° de febre. A médica do plantão prescreveu novos medicamentos e nebulização, conforme indicação para a idade. A paciente passou por uma terceira avaliação e foi prescrita uma nova dose de soro fisiológico".

    Conforme destacou a Susam em nota, durante o procedimento, "a paciente apresentou piora com manchas pelo corpo, rebaixamento do nível de consciência, dispneia evoluindo para uma parada cardiorrespiratória".

    De acordo com a pasta, entre as 23h55 e às 00h35, Alice teve três paradas cardiorrespiratórias. Todos os procedimentos para reanimação e ressuscitação foram feitos, mas o óbito foi confirmado às 00h54 desta sexta-feira (15).

    "A direção lamenta a perda da família e informa que a vigilância e comissão de óbito da unidade estão investigando e colhendo dados sobre o caso, a fim de esclarecer a morte da criança", conclui a nota.

    Edição: Isac Sharlon

    Veja a reportagem da TV Em Tempo:

    Veja a reportagem | Autor: TV Em Tempo

    Leia mais:

    Vídeo gravida agoniza em maternidade de Manaus na espera por cirurgia

    Pequena Aylla precisa de avião com UTI para se tratar em SP diz tia

    Governador Wilson Lima anuncia melhorias para hospital João Lúcio