Fonte: OpenWeather

    Redução de preço


    Motoristas de app protestam contra o alto preço da gasolina, em Manaus

    Os condutores afirmam que apesar da redução de valores noticiada pela Petrobrás, a diferença não reflete nos postos de combustíveis

    Motoristas fizeram uma carreata | Foto: Arquivo Pessoal

    Manaus - Motoristas de aplicativos de transporte de passageiros realizaram uma manifestação, nesta terça-feira (11), contra o alto preço do combustível, em Manaus. Os condutores afirmam que apesar da redução noticiada pela Petrobrás, os preços não refletem nos postos de combustíveis da capital.

    Em carreata, mais de 100 motoristas partiram do Clube Municipal, situado na Zona Centro-oeste de Manaus, em direção a Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), localizada no Parque 10, Zona Centro-sul da capital.

    De acordo com Edson Gonçalves, de 51 anos, um dos condutores que participou do protesto, os motoristas de aplicativos exigem a redução do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis.

    “A gente tem conversado com os proprietários dos postos de gasolina e constatamos que os distribuidores de Manaus não repassam a diminuição de preços para os postos de combustíveis. A Petrobrás reduz o valor e esse preço não chega nas bombas”, explicou o motorista.

    Os motoristas reivindicam, ainda, que a Comissão Parlamentar de Inquérito da Aleam, que investiga suspeitas da existência de um cartel entre os donos de postos combustíveis de Manaus, se manifeste em relação ao assunto.

    “A CPI dos Combustíveis precisa tomar ciência disso. Queremos a redução de impostos, o que vai beneficiar não apenas aos condutores de aplicativo, mas todos os proprietários de veículos automotores”, disse Edson, acrescentando que organização da carreata foi realizada pelo Grupo de Motoritas QRU, liderado por Thiago Rodrigues.

    Fiscalização

    Após a segunda redução, no mês de junho, da gasolina nas refinarias dada pela Petrobras, fiscais da Secretaria Municipal de Defesa do Consumidor e Ouvidoria (Semdec) irão, na tarde desta terça-feira (11), aos postos para verificar se há indícios de prática de preços abusivos. Durante a blitz, serão analisadas as notas fiscais de compra e venda dos combustíveis, antes e depois da redução de preço pela estatal.

    Leia Mais:

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!:

    Wilson Lima diz que ZFM é patrimônio do povo do AM e deve ser mantida

    Bolsonaro conversará com Moro sobre vazamentos da Lava Jato