Fonte: OpenWeather

    Sarampo


    São Paulo deve usar método aplicado no combate ao sarampo em Manaus

    A Prefeitura de Manaus apresentou o sistema usado na capital amazonense ao governo de São Paulo, que vive um surto da doença

    O município foi representado pela enfermeira Eliane Campos | Foto: Rômulo Araújo /Semcom e Assessoria Semsa

    Manaus- Pouco mais de dois meses após o anúncio do fim do surto de sarampo e há quase 200 dias sem registros de casos confirmados, a Prefeitura de Manaus se torna referência ao apresentar para a equipe da Secretaria de Saúde, do governo de São Paulo, o Sistema de Informação Track, criado por profissionais da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), para auxiliar no combate à doença. “É Manaus prestando serviço para o país, como eu gosto que seja”, disse o prefeito Arthur Virgílio Neto.

    A apresentação foi realizada entre os dias 12 e 15 de agosto, organizada a partir de convite da Organização Pan Americana de Saúde (Opas), que providenciou passagens e diárias para profissionais dos departamentos de Vigilância Ambiental e Epidemiológica (Devae) e de Tecnologia da Informação (DTI) da Semsa, que atuaram na construção do sistema.

    “Fico muito feliz com os resultados que Manaus vai obtendo em tudo que é setor, por exemplo, a saúde. A Organização Pan Americana de Saúde, a Opas, que tive a honra de trabalhar com ela e cuidar de seus assuntos junto ao Brasil quando eu era diplomata e estava servindo o Itamaraty, requisita quatro servidores nossos para mostrar em São Paulo, que é governado pelo meu querido amigo João Doria, nosso know-how, nossa expertise no combate ao sarampo, porque lá, no momento, um surto muito forte se apresenta”, declarou o prefeito.

    Em São Paulo, o município foi representado pela enfermeira Eliane Campos, o estatístico Marcus Antônio Pereira Rodrigues e o assistente administrativo Nilson Ribeiro Picanço, servidores do Devae, além de Rogério Carminé, servidor do DTI, que apresentaram a ferramenta de análise e qualificação de informações durante o surto da doença em Manaus, a partir do resultado da criação e utilização do Sistema Track.

    “Aqui em Manaus tivemos um surto muito forte também, mas o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que tínhamos que vacinar, pelo menos, 90% das pessoas do público-alvo. Essa era a meta e disse a ele que íamos vacinar mais e nós vacinamos 103% desse público. A Opas, sabedora disso, nos pega para ajudar e faço isso com muita alegria por se tratar do governo do João Doria”, destacou Arthur.

    Segundo a Semsa, o Track foi uma das estratégias utilizadas, como um sistema de captação de dados do paciente para o monitoramento em tempo real de todos os casos notificados, permitindo maior agilidade na tomada de decisões para o controle do sarampo, que teve o surto encerrado no início de junho, após 90 dias sem registro de casos confirmados da doença.

    Apresentação do sistema

    O Track é um sistema em que é possível inserir as mesmas informações da ficha de notificação do Sistema Nacional de Informação de Agravos de Notificação (Sinan/Ministério da Saúde), utilizado em todo o Brasil, identificando o nome do paciente, a localização geográfica da residência, sexo, idade e escolaridade do paciente, e dados sobre o início dos sintomas e histórico vacinal, entre outras informações.

    “A maior vantagem do Track em relação ao Sinan é o fato de funcionar de forma on-line, possibilitando maior rapidez na consolidação das informações, o que se mostrou essencial em situação de surto. A coleta e consolidação das informações dos casos suspeitos de forma on-line tornou possível reduzir o tempo de resposta dos serviços de saúde na execução das ações de investigação epidemiológica, bloqueio vacinal, monitoramento de contatos e familiares dos pacientes, facilitando as ações de prevenção e controle da doença”, afirmou a gerente do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS/Semsa), enfermeira Eliane Campos, que ainda está em São Paulo para apresentação e treinamento da ferramenta.

    A especialista também ponderou que, apesar da eficácia, a ferramenta utilizada por Manaus não será a mesma utilizada por São Paulo, por conta da dimensão do Estado, que possui dez vezes mais habitantes do que o Amazonas. “O Track funcionará como modelo a ser reproduzido, sempre adaptando-se à realidade daquela região. Prova disso é que já há um novo convite para apresentar o sistema, desta vez, na Bahia”, revelou Campos.

    Vitória contra o sarampo

    No último dia 3/6, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, e o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, anunciaram o fim do maior surto de sarampo. A capital conseguiu controlar a doença em 11 meses, o que pode ser considerado um tempo recorde, principalmente se comparado ao Estado do Ceará, que também viveu um surto e que demorou mais de dois anos para ser encerrado. Manaus não registra nenhuma confirmação de sarampo há pouco menos de 200 dias. O último caso foi no dia 31 de janeiro deste ano.

    O embasamento técnico para o estabelecimento desse prazo observa o período de transmissibilidade da doença. Não significa que não haja mais risco, porque o que protege, efetivamente, as pessoas de uma doença imunoprevenível é a vacinação efetiva de quem reside no município. Por isso, é importante manter a prevenção em crianças a partir de seis meses de idade até adultos de 49 anos, com a vacina Tríplice Viral.

    As inteligências epidemiológica e tecnológica da Semsa foram exploradas e utilizadas para uma resposta mais oportuna e direcionamento adequado dos recursos. O monitoramento contínuo de casos suspeitos nas unidades de saúde, que são porta de entrada, e a sensibilização de profissionais e população para manutenção da cobertura vacinal estão mantidas pela prefeitura para prevenir o risco de novos casos.

    *Com informações da assessoria