Fonte: OpenWeather

    Projeto


    Seap inaugura fábrica de chinelos no Instituto Penal Antônio Trindade

    O projeto de remição da pena pelo trabalho foi desenvolvido em parceria com a empresa de cogestão Umanizzare Gestão Prisional

    Os detentos integram o projeto “Trabalhando a Liberdade” e cumprem uma carga horária de 40 horas semanais
    Os detentos integram o projeto “Trabalhando a Liberdade” e cumprem uma carga horária de 40 horas semanais | Foto: Divulgação

    Manaus - A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) inaugurou, nesta quinta-feira (03), uma fábrica de chinelos no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), localizado no km 08 da BR-174 (Manaus-Boa Vista). O projeto de remição da pena pelo trabalho foi desenvolvido em parceria com a empresa de cogestão Umanizzare Gestão Prisional.

    No primeiro momento, a fabricação contará com a mão de obra de quatro reeducandos da unidade. Juntos, chegam a produzir cerca de 400 pares de chinelos por dia. Eles integram o projeto de ressocialização “Trabalhando a Liberdade” e cumprem uma carga horária de 40 horas semanais.

    Durante a cerimônia de inauguração, o diretor do Ipat, Erivan Miller, disse que o intuito de capacitar os reeducandos por meio de atividades laborais é oportunizar o benefício de remição da pena por meio do trabalho e qualificá-los para reinserção no mercado após o cumprimento da pena.

    “Já temos um número significativo de trabalhadores. Temos tido êxito neste projeto que é de grande valia para o sistema como um todo, contribuindo para a ressocialização dos reeducandos por meio do conhecimento adquirido e da mão de obra qualificada”, falou.

    Cerca de 400 pares de chinelos são feitos por dia
    Cerca de 400 pares de chinelos são feitos por dia | Foto: Divulgação

    Esforço

    O secretário-executivo adjunto da Seap, coronel André Luiz Barros Gioia, destacou o esforço de todos os envolvidos no projeto para tirar os internos da zona de conforto e garantir o avanço da força de trabalho a partir dos cursos de capacitação oferecidos nos presídios.

    “Aproveitem, deem valor para que em um futuro próximo vocês possam trabalhar e, com o esforço do trabalho de vocês, ajudar os seus familiares e se manter longe do crime. Esse é o momento para se qualificar e ficar preparado para o mercado quando sair daqui. Hoje, o ambiente dentro da unidade é melhor, e o trabalho de vocês está sendo reconhecido pela sociedade”, afirmou.

    Ressocialização e capacitação

    Para um dos internos, o trabalho nas unidades traz melhorias e é um dos principais incentivos de ressocialização e capacitação profissional.

    “Nós não podemos mudar o nosso passado, mas podemos transformar o nosso futuro. O trabalho nos ensina, nos qualifica e renova a esperança de um dia poder garantir o sustento das nossas famílias”.

    Remição da pena

    A remição por meio do trabalho está prevista na Lei de Execução Penal (LEP), de nº 7.210, garantindo um dia de pena a menos a cada três dias de trabalho.

    *Com informações da assessoria