Fonte: OpenWeather

    Qualificação


    Cetam e Hemoam formam primeira turma em Imunohematologia

    A qualificação em Imunohematologia de fato permite que os profissionais atuem em maternidades e hospitais públicos e privados onde há transfusões sanguíneas

    O curso, que teve duração de seis meses, compõe uma sequência de qualificações na área da hemoterapia | Foto: Divulgação

    A primeira turma de especialização técnica em Imunohematologia do Amazonas acabou de formar, em Manaus, 25 profissionais pelo Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam), juntamente com a Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Estado do Amazonas (Hemoam). O curso, que teve duração de seis meses, compõe uma sequência de qualificações na área da hemoterapia. 

    Jessica Prates, de 21 anos, recebeu o diploma técnico na última segunda-feira (21) e já tem planos para fazer carreira na área. “Eu já tenho uma formação pelo Cetam em Análises Clínicas, e agora complementei com a Imunohematologia. Sinto-me pronta para atuar na hemoterapia”, disse a jovem.

    A qualificação em Imunohematologia de fato permite que os profissionais atuem em maternidades e hospitais públicos e privados onde há transfusões sanguíneas. A formação os qualifica a manipular o sangue para garantir que os pacientes não apresentem rejeição após o procedimento transfusional. Em editais anteriores, o Cetam, junto ao Hemoam, ofereceu curso técnico de hemoterapia e análises clínicas. 

    “Existe uma demanda muito grande para técnicos nessa área de transfusão. Entendendo isso, o Cetam vem trabalhando uma série de qualificações que, combinadas, estão formando mão de obra para suprir essas necessidades”, disse o diretor da Escola de Saúde do Cetam, Salatiel Gomes. 

    Marlos Mendonça,  de 24 anos, é um desses exemplos. Ele fez o curso técnico de Hemoterapia em 2018 e agora concluiu Imunohematologia. “Fico honrado por ter essa oportunidade e tenho boas expectativas de trabalhar na área, já que há uma grande necessidade por esse tipo de profissional”, comentou.      

    Mais sobre o curso

    Com aulas teóricas e práticas, a grade do curso inclui as principais ferramentas laboratoriais para a identificação de anticorpos irregulares, aspectos laboratoriais para tratar de pacientes com anemias hemolíticas autoimunes, além dos desafios referentes à prevenção da doença hemolítica perinatal, entre outras doenças do sangue.

    *Com informações da assessoria