Fonte: OpenWeather

    Denúncia


    Vídeo: alunos convivem com goteiras e sala alagada no Amazonas

    De acordo com o denunciante, há mais de dez anos a escola não passa por reforma

    No vídeo, uma aluna do 8º ano do ensino fundamental, narra as condições da sala de aula
    No vídeo, uma aluna do 8º ano do ensino fundamental, narra as condições da sala de aula | Foto: Divulgação

    Manaus - Faça chuva ou faça sol, alunos da Escola Estadual Coronel Raimundo Cunha, localizada em Benjamin Constant, município distante a 1119 quilômetros de Manaus, sofrem com a falta de infraestrutura da unidade escolar. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra a sala de aula alagada por conta de inúmeras goteiras. Os alunos continuam no local já que o problema é antigo e eles não têm para onde ir. Além disso, a aluna que grava as imagens conta que o ar-condicionado não funciona.

    Conforme a denúncia, não é só no período chuvoso que o problema acontece. Por conta das altas temperaturas do verão amazônico, os alunos também sofrem com o calor. Os aparelhos de ar condicionado estão, em sua grande maioria, deteriorados ou queimados.

    No vídeo, uma aluna do 8º ano do Ensino Fundamental detalha tudo sobre as péssimas condições da sala de aula. Ela mostra a água caindo do teto e a poça acumulada no chão. Ela descreve, inclusive, que uma tomada já pegou fogo três vezes por conta de curtos-circuitos. Um risco alto de incêndio.

    "Aqui é uma precariedade total. Nós queremos melhorias para a nossa escola", reivindica a aluna.   

    Sem reforma

    De acordo com o denunciante, que pediu anonimato, há mais de dez anos a escola não passa por reforma. A situação interfere diretamente no ensino dos estudantes.

    "Essas circunstâncias afetam em todos os sentidos. Seja na aula, na aprendizagem e nos interesses dos alunos, pois as salas não oferecem condições de uso", relatou. 

    Ainda conforme o denunciante, a equipe de coordenação e a gestora da unidade fizeram um vídeo e um relatório, mas nunca houve retorno da Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc).

    "A internet da escola é particular e é paga pela diretora, além de outros gastos de manutenção. Até funcionário ela paga do próprio bolso. Ela se dedica e gosta da instituição", contou.

    Seduc

    Em nota, a Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc) informou que já foram tomadas as devidas providências com relação ao vazamento na unidade de ensino.

    "A Secretaria acionou a Gerência de Manutenção (Geman) da pasta e a unidade receberá os devidos reparos na segunda-feira (9)", finaliza a nota.

    Veja o vídeo

    | Autor: Divulgação