Fonte: OpenWeather

    Posicionamento


    Após cometer crime, integrante do quarteto agressor é demitido

    O homem perdeu o emprego e poderá responder pelos crimes de lesão corporal e assédio sexual.

    O espancamento aconteceu após a prima do estudante ter sido assediada por quatro homens.
    O espancamento aconteceu após a prima do estudante ter sido assediada por quatro homens. | Foto: Divulgação

    Manaus (AM) - Depois de se envolver em pancadaria no carnaval, um dos homens do quarteto que espancou o jovem Odilon Pereira, na banda do Vieiralves foi desligado pela firma em que trabalhava.  O ex-funcionário pertencia ao quadro de colaboradores da empresa Casa das Correias que fez o anúncio por meio das redes sociais, e se posicionou em relação ao caso na tarde desta quinta-feira (27).

    Em nota a Casa das Correias afirmou que:

    "A respeito de postagens veiculadas em redes sociais apontando um de nossos colaboradores como agressor em lamentável evento ocorrido durante o Carnaval, a casa das Correias vem a público informar que o funcionário em questão não faz mais parte do quadro de funcionários da empresa.

    Registre-se que a empresa não compactua com qualquer forma de violência, assédio sexual e constrangimentos contra qualquer cidadão e manifesta solidariedade às vítimas do ocorrido".

    Relembre o caso

    No último domingo (23), o estudante de medicina Odilon Pereira, de 20 anos, saiu com a família para o Carnaval na banda do Vieiralves e acabou sendo espancado por quatro homens. O crime aconteceu no estacionamento da Universidade Nilton Lins (Avenida Nilton Lins, bairro Flores, zona Centro-Sul), onde foi agredido.

    O espancamento foi ocasionado após a prima dele ter sido assediada por um quarteto. De acordo com o Odilon, a jovem só queria ir ao banheiro quando tudo aconteceu. 

    “No momento em que eu o vi, passando a mão na minha prima, avisei que ela estava acompanhada e que ele deveria respeitar. Na hora, o homem me empurrou e disse que não importava se ela estava acompanhada. Depois disso, seguimos em direção ao banheiro. Ela entrou e fique esperando. Na saída, eu senti algo me acertando e tentei me defender, mas era apenas eu contra quatro”, relatou Odilon.

    O crime esta sendo investigado pela Polícia Civil.