Fonte: OpenWeather

    Manifestação


    Em manifestação, Moradores do Monte Horebe tentam barrar desocupação

    Manifestação pacífica dos moradores do Monte Horebe ocorreu neste sábado (29), na Zona Norte de Manaus

    Moradores do Monte Horebe em manifestação pacífica neste sábado (29)
    Moradores do Monte Horebe em manifestação pacífica neste sábado (29) | Foto: Daniel Boechat

    Manaus - Moradores da ocupação irregular Monte Horebe, na Zona Norte de Manaus, se organizaram em uma manifestação, na tarde deste sábado (29), contra a desocupação do local, prevista para a próxima segunda-feira (2). Partindo da entrada do conjunto Viver Melhor, cerca de cinco mil pessoas fecharam a avenida Torquato Tapajós por cerca de duas horas.

    Segundo a pastora Cláudia, uma das líderes do movimento, originalmente seriam oito ônibus que partiriam em direção à avenida Torquato Tapajós, onde os moradores se concentraram próximo ao Supermercado Baratão da Carne. No entanto, o número de pessoas excedeu e os manifestantes seguiram a pé. Dentre eles, mulheres grávidas, crianças de colo e idosos se juntaram à passeata.

    Moradores do Monte Horebe em manifestação pacífica neste sábado (29)
    Moradores do Monte Horebe em manifestação pacífica neste sábado (29) | Foto: Daniel Boechat

    Com cartazes, gritos e cânticos de "o povo unido jamais será vencido", os moradores da ocupação buscavam interromper o processo de desocupação pacificamente, inclusive desobstruindo a via a cada dez minutos. Em nota encaminhada à imprensa neste sábado (29), o Governo do Amazonas esclareceu que: 

    "Representantes da Secretaria de Segurança Pública, do Gabinete de Gestão Integrada (GGI), da Polícia Militar, Polícia Civil e Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM) reuniram-se com moradores da ocupação irregular Monte Horebe, na zona norte de Manaus, na manhã deste sábado (29/02), para conversar sobre a ação de reintegração que ocorrerá no local, resultado de um acordo judicial firmado pelo Governo do Amazonas com a DPE para recuperação da área e assistência às famílias.

    Cinco pastores, autoproclamados líderes da ocupação, e cerca de 150 pessoas participaram da conversa cujo objetivo era organizar a mudança das famílias. O governo estadual colocou à disposição caminhões para os interessados retirarem os pertences. Entretanto, as pessoas presentes à reunião não manifestaram interesse em utilizar os veículos para remoção dos móveis e, por isso, os caminhões não foram deslocados para a área".

    Programada para a próxima segunda-feira (2), a desocupação foi anunciada durante coletiva de imprensa do vice-governador e secretário-chefe da Casa Civil do Estado do Amazonas, Carlos Almeida, que enfatizou a preocupação com a segurança dos moradores do local, além das implicações urbanísticas e ambientais envolvidas, já que ocupação se estende até parte da Reserva Florestal Adolpho Ducke.

    “Queremos retirar a criminalidade de cima dessas famílias que residem no Monte Horebe, mas não vamos deixá-los desamparados e à própria sorte", declarou.

    Moradores do Monte Horebe em manifestação pacífica neste sábado (29)
    Moradores do Monte Horebe em manifestação pacífica neste sábado (29) | Foto: Daniel Boechat

    A ocupação irregular Monte Horebe surgiu em 2015, após outra apropriação irregular, da chamada Cidade das Luzes. O local é conhecido pelo domínio de facções criminosas. Na área, já foram registrados vários crimes como homicídios, tráfico de drogas e posses de armas. 

    A Polícia Civil prendeu lideranças criminosas suspeitas de participar de um milícia que cobrava taxas para que os moradores pudessem permanecer no local. É o crime organizado quem vende terrenos, estabelece horários, impõe taxas e controla o acesso na região.

    Moradores do Monte Horebe em manifestação pacífica neste sábado (29)
    Moradores do Monte Horebe em manifestação pacífica neste sábado (29) | Foto: Daniel Boechat

    Carlos Almeida destacou também, durante a coletiva, que o início da desocupação está sendo divulgado com 48 horas de antecedência para evitar tumultos e a necessidade de uma operação de choque.

    Segundo o vice-governador, equipes de órgãos sociais do Estado estarão acompanhando a ação para que nenhuma família fique desamparada. Após a desocupação, a área também será utilizado pelas Forças de Segurança Pública para a implementação de postos policiais na Zona Norte de Manaus.