Fonte: OpenWeather

    Denúncias


    Problemas de infraestrutura expõem moradores do Parque São Pedro

    Crateras e desmoronamento de casas e bueiros estão entre as principais reclamações da comunidade da zona Oeste

    As tubulações foram abandonadas no local | Foto: Kennedson Paz

    Manaus - Por conta de problemas de infraestrutura, moradores do bairro Parque São Pedro, situado na Zona Oeste, denunciaram, nesta terça-feira (24), atrasos nas obras que estão sendo realizadas na localidade. Eles alertaram sobre situação de risco na rua São Cristóvão, que tem uma cratera a céu aberto. Durante as fortes chuvas no início da semana, parte de uma casa desmoronou, casas alagaram e um muro de contenção de um rip-rap desabou.   

    Conforme informações de moradores, o problema na rua teve início no mês de janeiro deste ano e, apenas no mês de março, uma equipe da Secretaria Municipal de Infraestrutura foi enviada até o local, mas atualmente as obras estão paradas. 

    "Desde janeiro, nós sofremos por conta de dez tubulações destruídas. Devido as águas do 'piscinão' conterem lixos e troncos de árvores. Durante o escoamento, os lixos ficaram presos e destroem as tubulações com a pressão da água. Como não foi feita uma manutenção, o solo cedeu e houve uma erosão ao lado da minha casa", explicou Ronaldo Silva, de 41 anos.

    Ainda segundo informações do trabalhador, por conta da erosão, as casas nas proximidades da obra racharam e, por isso, foram interditadas.

    A reportagem foi ao local e constatou o problema
    A reportagem foi ao local e constatou o problema | Foto: Kennedson Paz

    "Acionei a Defesa Civil no dia 10 de fevereiro, eles vieram até minha casa, viram as fissuras nas paredes e alertaram a Seminf. No entanto, fomos informados que não haviam tubulações para a realização da manutenção", ressaltou o morador.

    Os moradores da região informaram que, na ocasião, o prazo da finalização das obras no local foi determinado em 48h, mas os trabalhos no local ainda continuam paralisados.

    ""Por volta de 4h, a gente precisou se levantar para arrumar as coisas e ajudar outros vizinhos que também tiveram suas casas alagadas. Foi um sufoco! Como tem essa contenção no 'piscinão', a água não está descendo e está alagando as casas e prejudicando os moradores", ressaltou Alessandra da Silva Souza, de 31 anos, que há nove anos vive em situação de risco no local.

    "No dia 19, os técnicos deram um prazo para fazer o aterro e liberar a pista, mas nada foi feito e não temos previsão sobre quando eles retornarão com as atividades", disse ela.

    Conforme informações preliminares de um agente da Defesa Civil, as famílias, que estão próximas à área de manutenção e tiveram suas casas interditadas, passaram a receber um auxílio-aluguel, até que as obras sejam concluídas no local. No entanto, moradores relataram que o valor é inferior aos custos de moradia.

    "Eu não posso ficar nessa casa. Se minha casa desmoronar, como vou ficar com minha família? Eu não estou nem indo trabalhar com medo que isso ocorra. Estamos pagando o aluguel, mas o local é pequeno e os móveis estão aglomerados. Com esse valor, não temos como alugar uma casa. Nós que somos trabalhadores, damos a vida para construir as coisas e, dentro de poucos minutos, tudo pode ser destruído. É uma situação muito difícil", relatou Isaías Ferreira Rosa, de 48 anos.

    Os problemas de erosão por conta de tubulações danificadas, se repetiu também na rua Santa Edwirgens. A cratera tomou conta da rua e bloqueou o tráfego de carros particulares e ônibus coletivos, que tiveram que alterar o trajeto pelo bairro para a continuidade do serviço público.

    Já no final da rua Sabiá, moradores que vivem às margens do rip-rap também disseram que, por conta das fortes chuvas durante a manhã de segunda-feira (23), parte de um muro de contenção do córrego cedeu. Com isso, diversas casas nas proximidades estão em situação de risco. 

    Resposta

    Em nota, a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) informou que trabalha na área para conter a situação.

    "O local já recebe uma nova rede de drenagem profunda. As equipes estão no local para sanar a situação com a máxima urgência e devolver a segurança aos moradores da área".

    Veja reportagem no local: