Fonte: OpenWeather

    Doação


    Máquinas de costura são doadas para que detentas confeccionem máscaras

    As máscaras de proteção começaram a ser produzidas por detentas da Penitenciária Feminina de Manaus (PFM), que fazem parte de um projeto de ressocialização

    A Seap recebeu 20 máquinas de costura
    A Seap recebeu 20 máquinas de costura | Foto: Divulgação/Seap

    A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) recebeu nesta quinta-feira (27) uma doação de 20 máquinas de costura da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam) e entidades de classe do sistema de indústrias. Os equipamentos irão reforçar o trabalho de internos do sistema prisional na confecção de máscaras de proteção para ajudar na contenção do novo coronavírus no estado.

    A entrega das máquinas de costura foi feita no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) pelo vice-presidente da Fieam e presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Nelson Azevedo, ao secretário titular da Seap, coronel Vinícius Almeida.

    “É fundamental a participação de toda a sociedade. E a Fieam se mostra uma grande parceira nesse momento crítico de combate ao coronavírus”, disse Almeida.

    Nelson Azevedo manifestou satisfação pela Fieam e as entidades de classe que compõem o sistema das indústrias (Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Manaus, e Sindicato da Indústria de Bebidas em Geral do Amazonas) poderem colaborar diante do atual cenário.

    “A doação vai ajudar com que os internos se sintam úteis, e o material que será confeccionado vai suprir as necessidades dos profissionais das áreas de saúde e segurança pública”, comentou.

    As máscaras de proteção começaram a ser produzidas por detentas da Penitenciária Feminina de Manaus (PFM) que fazem parte do projeto de ressocialização “Trabalhando a Liberdade”. Com a chegada dos equipamentos doados, os trabalhos serão ampliados para o público masculino. A meta é confeccionar 10 mil máscaras semanais, com a expectativa total de 120 mil.

    Produto testado

    Após a confecção dentro do sistema prisional, a produção é encaminhada para a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) para o processo de esterilização. “Todo material está sendo fiscalizado e orientado pela FVS. São produtos testados e com comprovação garantida de eficiência”, afirmou o titular da Seap.

    *Com informações da assessoria