Fonte: OpenWeather

    Acidente de Trânsito


    Família pede ajuda em 'vaquinha' para cirurgia de motorista em Manaus

    Clezio Gonçalves de Souza Neto é motorista de caminhão. A família teme que ele perca o movimento do braço, caso não consiga a cirurgia. Ele foi atropelado em rua de Manaus

    Clezio é motorista de carreta
    Clezio é motorista de carreta | Foto: Divulgação

    Manaus - Após sofrer um acidente de trânsito no último dia 14 deste mês, o motorista de carreta Clezio Gonçalves de Souza Neto, de 37 anos teve a vida mudada, após fraturar o braço esquerdo. Devido a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), até o momento ele ainda não conseguiu fazer a cirurgia. A família dele teme que ele perca o movimento do braço e não possa mais trabalhar ou realizar outras atividades cotidianas.

    Atualmente, Clezio é o único provedor de renda da casa onde mora com a esposa e o filho de três meses de idade. Os familiares criaram uma vaquinha para custear o valor do procedimento médico.

    A esposa dele, Janara Figueira contou ao Em Tempo que o esposo foi atropelado no momento em que saia para comprar peças automotivas nas proximidades da casa do casal, na avenida Francisco Loureiro, no bairro Santo Agostinho, na Zona Oeste de Manaus.

    O motorista do carro prestou socorro e conduziu ao Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, na Zona Centro-Sul, onde Clezio teve o braço imobilizado, após fazer um raio-x, mas não conseguiu fazer a cirurgia. 

    Raio-X detectou a fratura de Clezio
    Raio-X detectou a fratura de Clezio | Foto: Arquivo Pessoal

    "Meu marido não recebeu nenhuma assistência do homem que o atropelou. Ele falou para que procurássemos a Justiça. Temos um filho de três meses e meu marido precisa do braço para trabalhar. Atualmente, ele está trabalhando com apenas uma das mãos e a ajuda de um sobrinho nosso de 21 anos que veio de outra cidade. É muito difícil, temo que ele perca o movimento dos braços. Moramos de aluguel e está muito difícil", relatou. 

    Janaira contou que a família procurou uma unidade hospitalar privada , que cobraria  R$ 33 mil para a cirurgia. Isso inclui a estrutura do hospital, anestesista, auxiliares, leito de internação e os pinos que seriam colocadas no braço do paciente. "Estamos sem condições alguma e criamos uma vaquinha virtual com intuito de arrecadar esse valor para que meu marido possa ter o movimento do braço de volta. Ele é um homem muito ativo e trabalhador. Precisamos dessa cirurgia e pedimos o apoio de órgãos públicos ou de quem possa nos ajudar com qualquer coisa", clamou. 

    Como ajudar

    Quem quiser ajudar na vaquinha virtual do motorista de carreta pode acessar por meio do link e doar qualquer valor. Mais informações e doações podem ser obtidas com a esposa de Clezio por meio do número (92) 98425-8084. 

    O Em Tempo entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) para saber quais foram os procedimentos adotados no caso de Clezio e se há a possibilidade de ele ser operado de forma gratuita e se há alguma previsão, mas até a publicação do material ainda recebeu resposta.

    Assim que houver retorno por parte da assessoria da Susam, a matéria será atualizada.