Fonte: OpenWeather

    Vacinação de gado


    Amazonas caminha para ter área reconhecida como livre de febre aftosa

    Estado recebeu autorização do Ministério da Agricultura para suspender vacinação em 13 municípios

    De acordo com a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal (Adaf), a medida fortalecerá o avanço do agronegócio local
    De acordo com a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal (Adaf), a medida fortalecerá o avanço do agronegócio local | Foto: Divulgação

    Amazonas - O Amazonas deu o primeiro passo para obter o reconhecimento de uma área como livre de febre aftosa sem vacinação, após receber autorização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para a suspensão da vacinação nos rebanhos bovinos e bubalinos em 13 municípios do sul e do sudoeste amazonense. A autorização foi dada por meio de instrução normativa, assinada pela ministra Tereza Cristina e publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta quinta-feira (30), e a suspensão passa a valer a partir desta sexta-feira (01).

    De acordo com a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal (Adaf), a medida fortalecerá o avanço do agronegócio local. Atualmente, o Amazonas é livre de febre aftosa com vacinação e busca ser reconhecido como área livre de febre aftosa sem vacinação. A suspensão da vacina é o primeiro passo do protocolo de ações para que o estado obtenha o reconhecimento nacional pelo Mapa e internacional pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

    “O Amazonas atinge um novo patamar sanitário e o fim da vacinação nos 13 municípios vai permitir aos produtores conquistar novos mercados, impactando valorização da produção de carne, leite, produtos e subprodutos, além de reduzir os custos, pois eles não precisarão adquirir a vacina. O Amazonas dá  passos seguros e firmes para fazer parte da elite sanitária brasileira relativo a sanidade animal”, comentou o diretor-presidente da Adaf, Alexandre Aráujo.

    Aráujo destacou ainda que, atualmente, apenas os estados de Santa Catarina e Paraná detêm o status sanitário de Livre de Febre Aftosa sem Vacinação com reconhecimento nacional, e somente Santa Catarina com reconhecimento internacional.

    Rebanho 

    Os 13 municípios detêm mais de 65% do rebanho do Amazonas. Ao todo, são 1.020.096 cabeças de gado, entre bovinos e bubalinos. O Amazonas possui um rebanho total de 1.562.081 animais. O município que se destaca com o maior rebanho, entre bovinos e bubalinos, é Boca do Acre, com 427.569. Em seguida, Apuí, com 157.209, e em terceiro, Lábrea, com 129.869 cabeças de gado.

    Atualmente, o Amazonas é livre de febre aftosa com vacinação
    Atualmente, o Amazonas é livre de febre aftosa com vacinação | Foto: Divulgação

    O secretário de Estado da Produção Rural (Sepror), Petrucio Magalhães Junior, destaca o potencial da sub-região do estado e a viabilidade da ampliação do rebanho amazonense. 

    “O Governo do Amazonas está fortalecendo a defesa agropecuária para o avanço do status sanitário e a conquista da suspensão da vacinação contra febre aftosa nos 13 municípios da sub-região Sul vai valorizar nossa carne no mercado regional e com a possibilidade de exportação, pois temos nessa na sub-região do estado um grande potencial, com áreas degradadas, logística, vocação natural e mais de 1 milhão de cabeças de gado com potencial de ampliação desse rebanho sem a necessidade de desmatamento”, destacou ele. 

    Regras 

    Com a suspensão da vacina nos municípios de Apuí, Boca do Acre, Canutama, Envira, Eirunepé, Guajará, Humaitá, Ipixuna, Itamarati, Lábrea, Manicoré, Novo Aripuanã e Pauini, e ainda em parte de Tapauá que faz divisa com Humaitá, a comercialização, o uso da vacina contra febre aftosa está proibido, e o trânsito de bovinos e bubalinos terá novas regras nessas regiões.

    Trânsito de bovinos e bubalinos terá novas regras
    Trânsito de bovinos e bubalinos terá novas regras | Foto: Divulgação

    “A partir de agora fica proibido o ingresso e a incorporação de animais vacinados contra febre aftosa nos municípios pertencentes ao Bloco I do Plano Estratégico (2017-2026) do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (Pnefa). Por isso, implantamos novos Postos de Fiscalização Agropecuária e reforçamos as Barreiras de Vigilância Agropecuária no Estado, para que passemos a ter um maior e seguro controle do trânsito de animais, vegetais, produtos e subprodutos para a futura área livre de febre aftosa sem vacinação,”, explicou o diretor presidente da Adaf, Alexandre Araújo.

    *Com informações da assessoria