Fonte: OpenWeather

    Ação Social


    Em meio à pandemia, onda de solidariedade toma conta do Amazonas

    Doação de alimentos, de viseiras, de kits enxovais para grávidas e até oração em portas de casas são alternativas que os amazonenses resolveram ajudar durante a pandemia

    Atos de solidariedade inspiram corrente do bem em meio à pandemia
    Atos de solidariedade inspiram corrente do bem em meio à pandemia | Foto: Divulgação

    Manaus - Em meio à pandemia causada pelo novo coronavírus, o recado nas redes sociais é "ninguém segura mais a mão de ninguém". Mas, muitos amazonenses, heróis que não estão de branco, estão se mobilizando para ajudar quem precisa em época de isolamento social.

    O publicitário e voluntário Arnaldo Rocha faz trabalho voluntário há 20 anos. No início da quarentena fez doações a pessoas que já ajudava. Mas percebeu que o trabalho não poderia ficar suspenso.

    “Eu sabia que precisaria ficar isolado em algum período da pandemia devido a proporção. Então abasteci algumas pessoas logo no início. O meu isolamento durou três semanas e foi muito angustiante, pois percebi que nem todos têm o privilégio de ficar em quarentena e usufruir do delivery. Então eu entendi que meu trabalho também é ser voluntário e ele é essencial. Com isso eu passei a atender algumas pessoas que me procuravam nas redes sociais pedindo assistência por terem perdido o emprego e a renda e fui ajudando, até que o número de pessoas aumentou e eu precisei pedir ajuda”, explicou Arnaldo. 

    Arnaldo faz doações há 20 anos e precisou intensifica-las durante a quarentena
    Arnaldo faz doações há 20 anos e precisou intensifica-las durante a quarentena | Foto: Divulgação

    A ação conta com mais três voluntários e segundo o publicitário, as primeiras cestas foram compradas com renda própria, porém com a grande repercussão, a ação passou a receber diversas doações que resultou na doação de 365 cestas básicas desde o início da pandemia. Segundo Arnaldo, 45 cestas foram recebidas e as demais compradas por meio da doação financeira.

    Além das doações de cestas básicas, Arnaldo também realiza ações de resgate animal, doação de alimentos a pessoas em situação de rua e lanches a pessoas que esperam pelo auxílio emergencial durante a madrugada nas agências da Caixa Econômica. Apesar das ações levarem sustento as famílias o sentimento de Arnaldo está longe de ser de alegria. 

    Ação leva lanches a pessoas que esperam pelo auxílio emergencial em agências
    Ação leva lanches a pessoas que esperam pelo auxílio emergencial em agências | Foto: Divulgação

    “Eu sei que as pessoas esperam uma resposta óbvia de que eu me sinto feliz ou grato pela oportunidade em ajudar, mas não seria totalmente verdade. O que eu mais sinto é alívio e frustração. Alívio, pois, de alguma forma aquela pessoa não vai dormir de estômago vazio ou aquela família vai ter a prateleira cheia por alguns dias e frustração porque em breve eu sei que boa parte estará contando os grãos novamente. Eu não quero prestar assistência, quero transformar, mas como estamos num momento de emergência, não há muito o que pensar, temos que agir”, disse Arnaldo. 

    O projeto voluntário recebe doações de cestas básicas e em espécie, os interessados em doar podem entrar em contato com o publicitário por meio do Instagram @arnaldorocha. 

    As cestas são doadas a famílias necessitadas
    As cestas são doadas a famílias necessitadas | Foto: Arquivo Pessoal

    Ensinamento

    Algumas ações passam de pai para filho e no caso do empreendedor, Hugo Bacelar, a iniciativa de ajudar as famílias necessitadas começou com seu pai.

    “Meu pai era ex-deputado aqui em Manaus e eu sempre vi ele ajudar muitas pessoas, principalmente no bairro em que moramos, no bairro Compensa e foi um trabalho que eu continuei. Quando a quarentena iniciou eu não deixei o trabalho de lado e continuei ajudando as famílias necessitadas. Nossa última ação ajudou 150 famílias da comunidade de Urucaia por meio da doação de cestas básicas”, contou.

    Hugo reuniu um grupo de 10 voluntários que recebem doações de amigos e pessoas que conhecem a ação e desejam ajudar. A próxima doação deve ocorrer ainda esse mês e a expectativa é que 300 famílias sejam beneficiadas. 

    “Não sei expressar o quanto me sinto grato em por poder ajudar essas famílias. Eu sinto que estou continuando o trabalho do meu pai que é ajudar. É muito gratificante saber que eu estou presente ajudando diversas pessoas, fico muito alegre e em paz”, refletiu Hugo.

    Solidariedade 

    Alimentos doados
    Alimentos doados | Foto: Arquivo Pessoal

    A iniciativa em ajudar está dentro da capacidade de cada um, as doações conectam pessoas e levam o sustento, mesmo que passageiro, há famílias em situação de vulnerabilidade social e é por meio das doações que a segurança do alimento garantido se estabelece em muitos lares. O jornalista Álik Menezes que trabalha com vendas de cosméticos, produtos de beleza e bem-estar, durante a pandemia decidiu usar seu lucro para beneficiar pessoas que enfrentam com dificuldade a quarentena.

    “Por meio da ação eu consegui doar 45 cestas básicas a essas famílias”, garantiu o jornalista.

    As doações são feitas para pessoas próximas ao jornalista ou amigos que estejam passando por dificuldades e perderam sua principal fonte de renda.

    A digital influencer Caila Carim também decidiu ajudar pessoas em necessidade durante a quarentena por meio do projeto pessoal Sendo de Coração (@sendodecoracao) que promove ações desde 2015.

    “O intuito sempre foi ajudar e eu sempre tirava do meu próprio dinheiro parar comprar itens para a doação e também recebia ajuda de alguns amigos. Por meio do projeto fazemos ações com crianças. Durante a pandemia não foi diferente, eu passei a receber muitas mensagens no direct de pessoas pedindo ajuda e resolvi ajudar”, afirmou a influencer.

    Por meio do projeto, Caila arrecadou 110 cestas, 60 já foram doadas a pessoas que residem em bairros como São Jorge e Novo Aleixo, assim como pessoas que pedem ajuda a influencer nas redes sociais.

    “Estamos tendo muito cuidado para não fazer aglomeração.Por isso as doações estão sendo feitas pouco a pouco, mas me sinto realizada, pois doar não é dar dinheiro, não precisa ser rico para ajudar. Doar aos outros pode ser algo tão simples como uma palavra, um sorriso, uma gentileza. Pode ser doar tempo, cuidado, preocupação e atenção. Às vezes é tão importante quanto investir em materiais caros”, finalizou. 

    Ajuda a mulher grávidas carentes

    Baby Chá para arrecadar itens para gestantes
    Baby Chá para arrecadar itens para gestantes | Foto: Divulgação

    Com o objetivo de ajudar as mães em situação de vulnerabilidade social, o "Projeto Aconchego Corrente de Solidariedade" promove o "Baby Chá virtual". A ação social pretende arrecadar uma grande quantia de dinheiro para comprar fraldas, lenço umedecido, talco, roupinhas, berço, carrinho, banheira, jogo de lençol, entre outros, para montar enxovais que serão doados para as mães cadastradas no projeto. 

    Segundo a idealizadora, Elke Santana, neste ano houve um aumento significativo no número de mães carentes. Ainda por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o projeto vem recebendo poucas doações.

    "Agora, com a pandemia do novo coronavírus e a situação em Manaus, há menos doações e mais mulheres precisando de ajuda. Uma empresa desenvolveu o site voluntariamente para o nosso projeto. Para doar, a pessoa precisa acessar o link da divulgação, lá vão conhecer a história do projeto. Também é possível escolher na lista de presentes o que quer doar e isso será revertido em dinheiro," disse Elke Santana. 

    Família confecciona viseiras de proteção para doar em Manaus

    Família confecciona viseiras de proteção para doar em Manaus
    Família confecciona viseiras de proteção para doar em Manaus | Foto: Divulgação

    Uma família de Manaus passou a confeccionar viseiras de proteção que serão distribuídas gratuitamente para profissionais da saúde, segurança, cobradores de ônibus e carteiros. 

    "Após denúncias dos profissionais de saúde sobre a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e ao atraso de salários, nossa família pensou em uma ideia para ajudar essas pessoas que estão na linha de frente no combate ao coronavírus. Foram doados mais de 600 protetores faciais, nos hospitais, Unidades Básicas de Saúde (UBS), maternidades, Unidades de Pronto Atendimento (SPA), que recebem pacientes portadores da Covid-19  e aos profissionais de segurança pública do estado do Amazonas", diz Hennyo Motta, um dos idealizadores do projeto.

    Segundo Hennyo Motta, quando começou a pandemia, algumas viseiras foram adquiridas para os voluntários e também para ajudar quem necessita. “Observamos a necessidade das pessoas e resolvemos doar algumas viseiras. A partir daí confeccionamos mais devido à grande demanda”, conta.

    Hennyo destaca, ainda, que devido ao grande índice de casos da doença na capital amazonense, a proteção é uma das grandes aliadas ao combate da Covid-19.

    Igreja realiza ‘Oração à Porta’ em bairros de Manaus

    Em tempos de dor, medos e incerteza que as pessoas têm enfrentando durante a pandemia da Covid-19, uma igreja evangélica em Manaus, capital do Amazonas, encontrou uma forma de prestar apoio espiritual aos seus fiéis por meio do projeto “Oração à Porta”. Os fiéis ‘transformam a frente da casa dos moradores de Manaus em igreja’.

    “Isolado sim, sozinho nunca”

    Isolado sim, sozinho nunca
    Isolado sim, sozinho nunca | Foto: Divulgação/ Chama Church

    O projeto da igreja Chama Church funciona da seguinte forma: o apóstolo acompanhado de dois levitas (cantor e o violinista) visitam as famílias que ligam para a igreja pedindo oração e ali mesmo da calçada, com segurança, é reservado um momento de oração, louvor e uma palavra bíblica direcionada para ‘alimentar a fé’ daqueles que perderam a esperança.

    “O objetivo do ‘Oração à Porta’ é dizer para cada família: isolado sim, sozinho nunca. É levar uma mensagem de fé, encorajamento e apoio. Dizer para eles que tem alguém que os ama e se importa com eles. E que nos momentos que nos sentimos solitários e deprimidos, existe um Deus que é um socorro bem presente na angústia”, destaca o apóstolo e presidente da Chama Church, Richard Mattos.

    O projeto já ministrou para famílias nos núcleos da Cidade Nova, além de bairros como Riacho Doce, Canaranas, Francisca Mendes, Alvorada, Braga Mendes e Alfredo Nascimento.

    “Nos sentimos como soldados em uma missão, diariamente saímos para uma missão de resgate. São várias pessoas apavoradas, doentes, depressivas, desempregadas, enlutadas. Um ambiente de guerra, a devastação emocional disso tudo é sem precedentes. Sentimos um peso de compaixão enorme em nosso coração por nosso povo. Nossas armas são: uma palavra, uma oração, um momento de adoração que podem mudar o destino de uma família”, ressalta Mattos.

    “O sentimento que tenho é de estar levando uma mensagem de Deus “

    Sandy Mattos e Alison Rabelo louvam para moradores
    Sandy Mattos e Alison Rabelo louvam para moradores | Foto: Divulgação/Chama Church

    O músico Alison Rabelo é um dos voluntários do projeto, ele destaca que se sente bem em ser um ‘instrumento’ de Deus em levar paz em momentos de desespero.

    “A música é algo divino e uma linguagem universal, principalmente nesses dias de desespero. O sentimento que tenho é de estar levando uma mensagem de Deus por meio de um canal que ele criou, a música. O talento que ele me deu está sendo bem usado. E percebemos que diversas pessoas são alcançadas, os católicos, evangélicos, pessoas de outras denominações e também que não tem ligação com nenhuma religião”, conta.