Fonte: OpenWeather

    Posicionamento


    'Negativo para o país', diz Arthur Virgílio sobre Bolsonaro

    Arthur voltou a criticar o presidente durante o ato pró-governo deste domingo, em Brasília

    Arthur fez duras críticas nas redes sociais à Jair Bolsonaro
    Arthur fez duras críticas nas redes sociais à Jair Bolsonaro | Foto: semcom

    Manaus – O Prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto usou as redes sociais neste domingo para novamente criticar o presidente Jair Bolsonaro pelo ato pró-governo que aconteceu em Brasília. Ele declarou que Bolsonaro é uma “pessoa de significado negativo para o país”. 

    Bolsonaro e mais 11 ministros participaram no momento de concentração no Palácio do Planalto, em Brasília. Arthur criticou Bolsonaro por incentivar aglomerações, mesmo no momento de pandemia que o país atravessa e fingir seguir as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

    | Foto: reprodução

    “De máscara, Bolsonaro finge seguir recomendações de proteção contra a Covid-19, mas seus apoiadores, convocados para o ato de hoje, não as usam. Dessa forma, ele continua atraindo os brasileiros para a doença, boicotando o isolamento social e expondo as pessoas à morte. Sua marca é o insulto diário ao Brasil. Continua o mesmo Bolsonaro de sempre, aquela pessoa de significado negativo para o país. Que menções à história deixará para este cidadão?”, questionou Arthur nas redes sociais.

    Não é a primeira vez que o prefeito de Manaus faz duras críticas às ações de Bolsonaro. Na última sexta-feira (15), após ser chamado de “vagabundo” e fazer insinuações maldosas sobre o ex-senador Arthur Virgílio Filho, pai do prefeito, com a expressão “também, sendo filho de quem é”.

    Arthur se pronunciou em sua autodefesa e disse que Bolsonaro é um presidente “não se dá ao respeito”. 

    “Eu jamais ofenderia o pai do presidente Jair Bolsonaro. Posso dizer coisas muito duras para ele, como por exemplo, que ele é um completo incompetente e não sabe para que lado vai o governo brasileiro. Ele não está à altura de governar um país grande, complexo e valoroso. Estamos diante de um presidente despreparado para o exercício dessa função. O presidente me chamou de vagabundo. Mas só me tocou porque usou a expressão ‘sendo filho de quem é’. Não fosse isso, eu iria dar um puxão de orelha nele, porque ele é um presidente que não se dá ao respeito. Ele insultou a memória do meu pai, um dos maiores parlamentares da história desse país. Eu poderia ser grosseiro e dizer: poxa, mas meu pai nunca se meteu em rachadinha, meu pai não tem um Queiroz na vida dele, meu pai não estava preocupado em trocar delegado da Polícia Federal para se beneficiar ou beneficiar pessoas suas”, finalizou.