Fonte: OpenWeather

    Denúncia


    'Não autorizamos o desligamento dos aparelhos', dizem pais de Gustavo

    A família do menino Gustavo, vítima de bala perdida na Compensa, questiona a equipe médica e diz os aparelhos foram desligados sem consentimento

    Pais declaram negligência médica na morte do adolescente
    Pais declaram negligência médica na morte do adolescente | Foto: reprodução

     

    Manaus – Após a constatação da morte do adolescente Jorge Gustavo Silva dos Santos, de 12 anos, vítima de uma bala perdida, na noite desta segunda-feira (18), a família alega negligência médica e desligamento de aparelhos sem a autorização dos pais. A vítima estava internada no Hospital e Pronto-Socorro Infantil Joãozinho, na Zona Leste. 

    Os médicos falaram para a família que o menino teve morte cerebral e havia testado positivo para o novo Coronavírus (Covid-19). Entretanto, a família, abalada com a morte da criança, informou que Gustavo foi vítima de negligência médica. 

    “A médica fez o que ela quis. Todas as vezes que fomos ao hospital não tínhamos informações. Só me ligaram para ir até no dia que informaram a morte do meu filho. Estamos sem respostas, sem assistência. Só vi meu filho enrolado na maca. Foi negligência total. Não autorizamos o desligamento dos aparelhos”, disse o pai da criança, José Santos, emocionado. 

    O pai lamentou a morte do filho nesta segunda-feira (18)
    O pai lamentou a morte do filho nesta segunda-feira (18) | Foto: reprodução

    Em nota, a Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam) lamentou a morte do adolescente e informou que o protocolo de morte encefálica foi cumprido. Neste caso, conforme a secretaria, não há necessidade de autorização dos responsáveis.

    Veja a nota na íntegra:

    A Susam lamenta a morte do paciente e se solidariza com a família pela perda. A Susam está acompanhando o caso e ontem mesmo solicitou informações à direção da unidade sobre as circunstâncias do atendimento.

    A direção do Hospital e Pronto-Socorro Infantil da Zona Leste informou que, na última terça-feira (12), o paciente chegou em estado gravíssimo e passou por uma cirurgia neurológica de três horas, devido a um ferimento de arma de fogo na cabeça que transfixou o crânio, com exteriorização de massa encefálica, sendo internado posteriormente na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

    Na tarde desta segunda-feira (18) foi declarado o óbito pela equipe médica que acompanhava o paciente e o  fechamento do protocolo de Morte Encefálica (morte cerebral), após a realização de exames e avaliações médicas que demonstraram ausência de atividade cerebral.

    A direção informou que foi seguido o protocolo de Morte Encefálica, conforme o estabelecido pelo Ministério da Saúde. E que, durante os seis dias de internação, a criança foi acompanhada pela equipe multidisciplinar, formada por médicos especialistas, psicólogos e assistentes sociais. A médica responsável pela UTI informa que conversou com a família antes de encerrar o protocolo para Morte Encefálica.  

    O protocolo de ME é padrão com todos os passos informados pelo profissional, documento este que será avaliado pela gestão da Secretaria para caso de esclarecimentos sobre a conduta médica adotada.

    Relembre o caso

    Jorge Gustavo foi atingido durante um tiroteio que aconteceu rua 21 de Junho, no bairro Compensa, Zona Oeste de Manaus, no dia 12 deste mês. Conforme a polícia, no dia do crime, suspeitos em um veículo se aproximaram de um homem identificado como "Kevinho", com intuito de executá-lo.

    Durante a ação, foram efetuados vários tiros, sendo que um deles atingiu o adolescente - que havia acabado de sair de uma igreja. 

    O Prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto e a primeira-dama Elisabeth Valeiko emitiram uma nota lamentando a morte de Jorge, que era aluno do 7º ano da escola municipal Elvira Borges, Zona Oeste de Manaus.

    Confira a nota: 

    "Esse é o tipo de notícia que nos consterna. Em meio ao sofrimento de tantas famílias que perderam seus entes queridos para o novo Coronavírus, ter que lidar com a violência é algo que, realmente, nos corrói. Meus mais sinceros pêsames à família e aos amigos do Jorge Gustavo, que teve seu futuro tão injustamente interrompido pela criminalidade, que, infelizmente, já chega a um nível absurdo na nossa capital", disse o prefeito Arthur Virgílio Neto.

    O prefeito de Manaus e a primeira-dama emitiram nota em apoio à família
    O prefeito de Manaus e a primeira-dama emitiram nota em apoio à família | Foto: reprodução

    "Nos unimos à dor da mãe e de toda a família do Jorge Gustavo. Nossos corações estarão em oração. Não há palavras para expressar o sentimento de tristeza com a perda de um filho, mas oro para que Deus ofereça o consolo necessário nesse momento", lamentou a primeira-dama Elisabeth Valeiko.

    Segundo a secretária municipal de Educação, Kátia Schweickardt, Jorge era um excelente aluno e se dedicava inteiramente aos estudos. "É mais uma vítima inocente da violência que, infelizmente, assola a cidade de Manaus", falou, informando que a Secretaria Municipal de Educação (Semed) presta todo apoio psicológico e acompanhamento à família, por meio da Divisão Distrital Zonal Oeste (DDZ Oeste).