Fonte: OpenWeather

    denúncia


    Profissionais de “O Brasil conta comigo” não estão atuando no AM

    Segundo os candidatos convocados, ninguém começou a trabalhar, incluindo os profissionais que vieram de fora da capital.

    | Foto: Ed Blair/Arquivo Em Tempo

    Manaus- Em virtude da pandemia, os Ministério da Educação e Saúde lançaram o programa “O Brasil Conta Comigo” para finalistas e recém-formados na área da saúde para trabalhar na linha de frente no combate ao coronavírus. Médicos, biomédicos, farmacêuticos, enfermeiros e fisioterapeutas são o público alvo da iniciativa. Porém, no Amazonas, aqueles que fizeram a inscrição e foram considerados aptos, não foram convocados para trabalhar até o momento.

    Os profissionais procuraram o EM TEMPO para fazer a denúncia, pois, de acordo com eles, já deveriam estar atuando no Sistema único de Saúde (SUS) local, desde o dia 15 de maio. Vale ressaltar, que alguns profissionais vieram de fora do estado, e estão a quase um mês sem respostas, recebendo apenas a orientação de esperar a publicação no Diário Oficial da União (DOU).

    “Os responsáveis que estavam em Manaus retornaram a Brasília, com o objetivo de agilizar as contratações. O que tem dificultado é a falta de informação para com os candidatos e muita burocracia. De acordo com os coordenadores locais, eles estão trabalhando dia e noite para solucionar o problema. Houve erro na documentação quando enviamos e algumas pessoas como eu, vão precisar enviar novamente”, contou a médica Diana que participante do programa.  

    Os trabalhadores que vieram de fora do Amazonas, estão hospedados em um hotel e a promessa é que aqueles que são do estado também ficaram hospedados em hotéis para evitar o risco de contaminação dos familiares no retorno dos plantões. Além disso, os integrantes da iniciativa terão direito a bonificações que incluem o recebimento de bolsa que dever ser paga pelo Banco do Brasil por meio do Ministério da Saúde, ou descontos nas mensalidades instituições de ensino.

    Golpe

    Os convocados criaram um grupo de whastapp para manter a comunicação entre as 212 pessoas e a coordenação do programa. Porém, os inscritos acabaram sofrendo golpe de um estelionatário ainda não identificado pela polícia, que usou os dados desses profissionais divulgados no aplicativo de comunicação. Segundo a biomédica que preferiu não revelar a identidade, uma amiga caiu no golpe.

    “ Não sabemos quem, mas alguém está clonando nossos emails e pegando alguns dos nossos dados para aplicar golpes. Teve uma colega que caiu na fraude. Disseram que para ela ativar a inscrição deveria realizar um depósito, e ainda citaram nome do coordenador Márcio. A questão é que no grupo têm pessoas que não foram selecionadas e conseguiram entrar de maneira indevida. Isso complicou ainda mais as contratações”, relatou a profissional.

    Posicionamento da Susam

    A Secretaria de Estado da Saúde do Amazonas (SUSAM) foi procurada para prestar esclarecimento diante da situação, e respondeu que os profissionais devem iniciar suas atividades ainda esta semana. A Susam afirmou que está finalizando as escalas de plantões e realizando preparativos para o acolhimento. Segundo eles, o início das atividades dos profissionais, dependia da formalização de seus contratos de trabalho pelo Governo Federal.

    Enquanto isso, o Governo do Amazonas, a Prefeitura de Manaus realizam treinamento, testes rápidos e monitoramento da saúde destes trabalhadores.    

    Os convocados deverão trabalhar em unidades de Atenção Primária à Saúde, das comunidades remanescentes de quilombos e das comunidades ribeirinhas, estabelecimentos da rede hospitalar, unidades de Pronto Atendimento, e em estabelecimentos de saúde voltados ao atendimento dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas.