Perdas na religião


Líderes religiosos que morreram por Covid-19 no AM deixam legado de fé

Apesar das mortes causadas pela pandemia, líderes mostraram em vida o serviço às comunidades

Líderes são lembrados com exemplos de fé
Líderes são lembrados com exemplos de fé | Foto: Reprodução

Manaus - O Amazonas contabilizou até a quinta-feira (23) um total de 3.193 mortes causadas pelo novo coronavírus (Covid-19), segundo o boletim epidemiológico da Fundação de Vigilância e Saúde do Amazonas (FVS-AM). Entre as vítimas, estão líderes religiosos que, em vida, deixaram um legado de fé e serviços prestados à comunidade religiosa do Estado. 

Igreja católica

Cairo Gama, de 41 anos, morreu em maio vítima do coronavírus. Ele era sacerdote diocesano e pároco de Santa Teresinha, no bairro Alvorada, Zona Centro-Oeste de Manaus. Segundo informações de amigos e familiares, ele teria sido infectado durante as festividades da Páscoa e esteve internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). 

Padre Cairo Gama morreu aos 41 anos
Padre Cairo Gama morreu aos 41 anos | Foto: Reprodução

Gama também era psicólogo. No dia de seu falecimento, o Conselho Regional de Psicologia da 20ª Região (CRP20) emitiu uma nota de pesar e reconhecimento dos serviços prestados na profissão enquanto padre. 

A Arquidiocese de Manaus também emitiu nota contando a trajetória dele na igreja católica. O padre nasceu em Manaus, recebeu formação presbiteral no Seminário São José e sua ordenação sacerdotal ocorreu em 5 de agosto de 2012, por Dom Luiz Soares Vieira. 

Ele atuou na Área Missionária São Lucas, na Paróquia Santa Luzia, na Paróquia Sagrado Coração e desde o dia 23 de outubro de 2018, era pároco da Paróquia Santa Teresinha. Desde fevereiro de 2019, ele acompanhava a Associação Católica Amigos do Cruzeiro, um lugar de oração pelas vítimas da violência que possuía duas salas para velório, no bairro Cidade Nova, Zona Norte.

Cairo também foi diretor espiritual das Equipes de Nossa Senhora e fazia parte da coordenação da Pastoral Presbiteral no Regional Norte 1 - AM/RR.

“Padre Cairo era tido pelos seus paroquianos como um padre atencioso, disponível e carismático”, disse a nota da igreja. 

Assembleia de Deus no Amazonas

Pastor Paulo Farias morreu aos 71 anos
Pastor Paulo Farias morreu aos 71 anos | Foto: Reprodução

Em maio, o pastor Paulo Farias - líder da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Amazonas - morreu aos 71 anos de Covid-19. Ele era considerado um grande Capelão, que trata-se de um ministro religioso autorizado a prestar assistência e a realizar cultos em comunidades religiosas, conventos, colégios, universidades, hospitais, presídios, corporações militares e outras organizações ou corporações. 

Na época do seu falecimento, uma facção criminosa do Amazonas prestou homenagens ao pastor evangélico e asseguraram que o trabalho de capelania do religioso nos presídios do Amazonas era essencial. Ele comandava um programa de rádio com o nome “Liberdade atrás das grades”. 

“É com muita tristeza nos corações dos irmãos aqui do fechado e do semiaberto de vários presídios de Manaus, que agradecemos ao ungido de Deus, pastor Paulo Farias, que um dia esteve aqui dentro conosco trazendo a palavra de Deus para todos nós. Esse era pastor verdadeiro, que não tinha medo de nós, não tinha vergonha e nem preconceito. Mas infelizmente Deus levou nosso pastor Paulo Farias. Vai deixar saudades para todos os irmãozinhos do fechado e do semiaberto. Descanse em paz amado Pastor Paulo Farias!”, disse a publicação. 

"O maior capelão de todo o Amazonas. Seu trabalho jamais será esquecido", disse outra amiga do pastor. 

Adventista do Sétimo Dia

O pastor Davi Lopes Ribeiro, da Igreja Adventista do Sétimo Dia, faleceu no dia 23 de abril, aos 81 anos. O religioso dedicou todo seu ministério pastoral na região noroeste do Brasil. 

Pastor Davi Lopes Ribeiro morreu aos 81 anos
Pastor Davi Lopes Ribeiro morreu aos 81 anos | Foto: Divulgação

Em nota, a Igreja Adventista afirmou que o pastor foi jubilado no ano de 2004, e dedicou 30 anos ao ministério, servindo a Igreja nos estados do Amazonas, Rondônia, Roraima e Acre, incluindo 6 anos como pastor em uma lancha Luzeiro. 

Com o trabalho exercido por Davi Ribeiro, foram contabilizadas mais de 100 igrejas construídas, mais de 10 mil batismos e em 2013, ele recebeu da Conferência Geral uma Comenda por relevantes serviços prestados à igreja.

“Foi uma inspiração para todos os que cruzaram seu caminho. Família e amigos depositam em Deus a saudade e destacam a esperança que têm na promessa do reencontro daqueles que dormiram no Senhor”, finaliza a nota.

Matriz Africana

A Federação de Umbanda e Cultos Afro-brasileiros do Estado do Amazonas (FUCABEM) informou que nenhum líder religioso vinculado à federação faleceu por Covid-19. 

Leia Mais

Vídeo: sínodo da Amazônia é visto com desconfiança por Bolsonaro 

Parintinense 'deu vida' a Jesus Negro da Mangueira

Religiosos do AM opinam sobre a quarentena após decreto de Bolsonaro