Volta às aulas


Seduc confirma quatro casos de Covid após volta às aulas em Manaus

Confirmação da Secretaria foi por feita em nota, que também esclareceu suposta lista de escolas com servidores contaminados

Alunos do ensino médio retornaram às aulas na segunda-feira (10)
Alunos do ensino médio retornaram às aulas na segunda-feira (10) | Foto: Gabriel Machado

Manaus - Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc) informou que - até a tarde desta quarta-feira (12) - foram confirmados quatro casos positivos para a Covid-19 entre membros da comunidade escolar de diferentes unidades de ensino.

A secretaria se pronunciou após uma lista circular nas redes sociais informando que 15 escolas, em diferentes zonas de Manaus, estariam com membros contaminados. A lista, segundo a Seduc, é falsa e somente os quatro casos seguem em monitoramento pela pasta. Leia mais sobre a lista:

Lista de 15 escolas com casos de Covid em Manaus é falsa diz Seduc

A Seduc afirma ainda que segue realizando o monitoramento nesta quinta-feira (13) e atualizará os dados oficiais de acordo com os casos confirmados.

Retorno com protestos

As aulas retornaram no início da semana, apenas para os alunos do ensino médio. Na terça-feira (11), uma servidora da Escola de Tempo Integral (ETI) Maria do Céu Vaz d’ Oliveira, no bairro Manôa - Zona Norte -, testou positivo para Covid-19. Os alunos foram liberados e a escola passou pelo processo de desinfecção.

No mesmo dia, a categoria dos Professores e Pedagogos de Manaus (AspromSindical) fez uma reunião em Assembleia Geral Extraordinária e aprovou a instalação da greve por tempo indeterminado, nas escolas de ensino médio. Segundo eles, a medida é "contra o retorno precipitado das aulas presenciais e a favor da vida".

Sindicato dos professores e pedagogos aprovou greve por tempo indeterminado
Sindicato dos professores e pedagogos aprovou greve por tempo indeterminado | Foto: Divulgação

No dia 11, a direção do AspromSindical e o Comando de Greve estiveram na sede do Governo para fazer o comunicado, ao governador Wilson Lima. A coordenadora geral do AspromSindical, Helma Sampaio, e o professor da base da categoria, Miguel Oliveira, fizeram um documento para comunicar a greve por tempo indeterminado.

O ato segue nesta quinta-feira (13) em frente ao prédio da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM). 

Leia mais: 

Reclassificação de óbitos por Covid-19  apontam 3.417 mortes no AM

Aulas na Ufam serão retomadas a partir do dia 8 de setembro 

Escola do AM com servidora infectada pela Covid passa por desinfecção 

Coronavirus