Saúde


'Saúde Amazonas vai reduzir filas e modernizar rede', diz Wilson Lima

Conforme o governador, o programa é o marco de um novo momento para a área da saúde no Amazonas

Novo programa de reordenamento da área de saúde no estado, o “Saúde Amazonas”, começa nesta segunda-feira (31)
Novo programa de reordenamento da área de saúde no estado, o “Saúde Amazonas”, começa nesta segunda-feira (31) | Foto: Tácio Melo/Secom

Manaus - Novo programa de reordenamento da área de saúde no estado, o “Saúde Amazonas”, começa nesta segunda-feira (31). Tendo o investimento inicial na ordem de R$ 1,4 bilhão, até 2022, uma das prioridades é a redução da fila de espera por exames e consultas na rede estadual, com a ampliação de 65% da oferta de procedimentos nos próximos seis meses.

O lançamento do programa aconteceu durante a inauguração da nova sede do complexo regulador, que passa a se chamar Central Unificada de Regulação e Agendamento de Consultas e Exames (Cura), localizada na rua Jonathas Pedrosa, Centro, zona sul de Manaus.

Para o governador, este é o marco de um novo momento para a área da saúde no Amazonas. “Hoje, nós estamos vivendo um momento diferente na área da saúde. Esse aqui é um momento diferente do Governo do Estado do Amazonas, em que a gente vira uma página e começa a viver uma nova história. A gente começa a viver agora a história da SES, que é a nossa Secretaria Estadual de Saúde”, disse Wilson Lima.

Na ocasião, ele anunciou a composição da SES-AM, que passará a ter mais efetividade na implementação dos projetos. “Nossa ideia é organizar tudo, é modernizar e usar a tecnologia para que ter maior controle e, naturalmente, fazer uma entrega mais eficiente. Tudo isso para que a gente possa diminuir filas, possa agilizar procedimentos e, cada vez mais, fazer entregas que o nosso governo se comprometeu a fazer”, frisou o governador.

Prioridade na redução de filas 

 Com o reordenamento da assistência, a oferta de vagas/mês para procedimentos saltará de 262 mil, em julho, para 404,7 mil, a partir de três medidas: o retorno do Hospital Delphina Aziz à rede de saúde, a reorganização da oferta no ambulatório especializado das policlínicas, combinados com a aplicação da técnica do “overbooking” no agendamento.

A meta é que, ao final da implantação do programa, em 2022, o tempo de espera não ultrapasse o máximo de 30 dias. Considerando que o sistema trabalha com o critério de classificação de risco, esse tempo pode ser menor dependendo da gravidade do paciente.

Leia mais:

Amazonas Band realiza último espetáculo de ‘A Arte Agradece a Vida'

PCdoB anuncia Marcelo Amil como pré-candidato a prefeito de Manaus

Brasil registra 6 abortos por dia em meninas estupradas