Auxílio emergencial


Vereador Joelson analisa decisão de Bolsonaro em prorrogar auxílio

O número de beneficiários chega a 67,2 milhões pessoas no Brasil

"Foi uma decisão acertada, madura e justa", alega Joelson Silva sobre a decisão do presidente Jair Bolsonaro
"Foi uma decisão acertada, madura e justa", alega Joelson Silva sobre a decisão do presidente Jair Bolsonaro | Foto: Divulgação

Manaus - O anúncio de que o auxílio emergencial será prorrogado até dezembro deste ano, feito na manhã desta terça-feira (1º), pelo presidente Jair Bolsonaro, foi destacado pelo presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), Joelson Silva (Patriota). A medida provisória ainda será votada pela Câmara dos Deputados e o Senado Federal, mas, de acordo com o parlamentar, servirá de alento para a população que ainda sente os efeitos provocados pelo novo coronavírus.   

Mesmo com a redução no valor, dos atuais R$ 600 para R$ 300, o vereador considera importante manter o benefício, por conta do processo gradual de retomada da economia, que é lento, e pela atenção redobrada diante de um possível segundo ciclo da doença na capital amazonense. 

“O presidente Bolsonaro tem enfrentado resistência em relação a valores, mas só o fato de ele optar em manter o pagamento por mais quatro meses, já serve de alívio para muita gente. Foi uma decisão acertada, madura e justa, porque o momento ainda é difícil, principalmente para os mais humildes”, avaliou Joelson Silva. 

O auxílio emergencial foi criado, inicialmente, para ser aplicado nos meses de abril, maio e junho, período de pico da pandemia, mas foi estendido para julho e agosto. 

Para sacar o dinheiro, o beneficiário precisa ir até uma agência da Caixa Econômica Federal com o CPF e um documento de identificação com foto.  

Pagamento

O número de beneficiários chega a 67,2 milhões pessoas e o pagamento é feito pela Caixa Econômica Federal, dividido em quatro ciclos e cada ciclo é dividido em duas etapas. A primeira é quando o beneficiário recebe a quantia na poupança digital, e a segunda quando o mesmo pode realizar transferências e saques. 

Até 31 de agosto, o banco pagou R$ 184,6 bilhões, segundo informações da própria Caixa Econômica. Dos que têm direito a receber a ajuda do governo, 19,2 são cadastrados do Bolsa Família, 10,5 milhões são do Cadastro Único do Governo e 37,5 milhões foram aprovados após inscrição no aplicativo ou pelo site. Atualmente, 113,3 mil pessoas aguardam reanálise para receber a ajuda.

Leia mais:

Mais de 70% dos professores tiveram saúde mental afetada na quarentena

Comissão da mulher vai acompanhar caso de feminicídio no Careiro

Vídeo: suposto assaltante é espancado por grupo na Compensa