Nota de repúdio


Covid: FVS contesta e repudia declarações de pesquisador da Fiocruz

Segundo a FVS, as declarações de subnotificação de mortes e 'falso fim de pandemia' feitas pelo pesquisador é 'equivocada, falaciosas e sem embasamento técnico'

 

A nota foi emitida nesta quarta-feira (9) em repúdio a colocação do pesquisador
A nota foi emitida nesta quarta-feira (9) em repúdio a colocação do pesquisador | Foto: Reprodução

Manaus - Após a divulgação de uma pesquisa feita pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) emitiu uma nota nesta quarta-feira (9) de repúdio e contestando a colocação feita pelo autor da pesquisa, Jesem Douglas Yamall Orellana. Segundo ele, a FVS passa um falso fim de pandemia para a população amazonense. 

Segundo o pesquisador, a segunda onda de Covid-19 no Amazonas está sendo encoberta pelas autoridades sanitárias. Ele afirma que os dados usados na pesquisa são da FVS e criticou a volta às aulas no início do mês de agosto. 

Saiba sobre esse estudo: Covid-19 pode ter matado três vezes mais em Manaus, diz estudo

A FVS apontou que não há tendência de aumento de enterros em Manaus, como apontou o pesquisador. "O eventual registro de aumento no número de sepultamentos não significa que os mesmos são recorrentes de Covid-19", explicou a nota. 

Segundo o pesquisador, o número de mortes por Covid-19 pode ser três vezes maior
Segundo o pesquisador, o número de mortes por Covid-19 pode ser três vezes maior | Foto: Divulgação

O documento aponta também que a FVS-AM não detectou o aumento do número de óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) referido pelo pesquisador. Na alegação de que "o número de leitos ocupados em UTI teve uma queda anômala no dia 3 de setembro em relação ao dia anterior, caiu de 111 para 95 (17%)", a FVS demonstra que os dados apresentam que a média móvel de internações em UTI em Manaus não tem caído, conforme alegou o pesquisador. 

Repúdio e indignação 

Quem assina o documento é a diretora presidente da FVS-AM, Rosemary Costa Pinto. Ela cita a falta de respeito por parte do pesquisador e lembra o número de óbitos e recuperados da doença no Amazonas. 

O documento foi emitido em resposta ao pesquisador da Fiocruz
O documento foi emitido em resposta ao pesquisador da Fiocruz | Foto: Reprodução

"Finalizando, causa espécie as colocações sarcásticas, inadequadas e desnecessárias do pesquisador, que não refletem a isenção dos seus pares pesquisadores da Fiocruz. A postura profissional demonstra uma completa falta de respeito com as mais de 3. 855 vidas perdidas no estado do Amazonas para a Covid-19, e com os profissionais da saúde que permanecem se dedicando exaustivamente, de domingo a domingo, a salvar vidas, como as dos mais de 105.369 casos já recuperados no Estado", salientou Rosemary. 

A FVS pontuou a seriedade da Fiocruz e demonstrou indignação com a fala do pesquisador. "As colocações do pesquisador são pessoais, sem embasamento técnico, em que o mesmo se vale pelo seu cargo cmo detentor de autoridade (epidemiologista da Fiocruz), para expressar, como se fossem dados científicos, opiniões pré-concebidas, falaciosas, e equivocadas, que obviamente não levam em consideração, no contexto de uma pandemia que ameaça toda a humanidade, as medidas tomadas pelo Governo do Estado do Amazonas, no enfrentamento da mais grave crise de saúde pública já vivenciada por esta geração", finalizou a nota. 

Leia mais:

Feminicídio é tema de pesquisa da Fiocruz em Manaus 

Desigualdade social contribui para mortes, diz pesquisa

Hospital Delphina Aziz voltará a receber pacientes 'Não Covid'