Hanseníase


Fuam realiza visitas em casas de pacientes com hanseníase em Manaus

O objetivo é acompanhar pacientes que faltam as consultas e consequentemente não tem acesso à medicação

O acompanhamento é para pacientes faltosos
O acompanhamento é para pacientes faltosos | Foto: Reprodução

Manaus - A Fundação Alfredo da Matta (Fuam) está realizando visitas domiciliares aos pacientes de hanseníase que têm deixado de comparecer às unidades de saúde. 

O objetivo da ação, realizada em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), é evitar que os pacientes interrompam o tratamento para a doença, já que precisam ter uma dose mensal da medicação, de forma supervisionada, além de receberem medicamentos em comprimidos para o restante do mês.

O chefe do Departamento de Controle de Doenças e Epidemiologia (DCDE) da Fuam, José Yranir do Nascimento explica que em função da pandemia do novo coronavírus, alguns pacientes não têm comparecido para tomar a medicação supervisionada, que é mensal.

As medicações são essenciais no tratamento da doença
As medicações são essenciais no tratamento da doença | Foto: Valdo Leão

“Um acompanhamento de rotina para aqueles que mantêm convívio com um paciente em tratamento é uma importante medida para detecção precoce de possíveis novos casos”, disse.  

As visitas estão sendo realizadas pela equipe da Fuam duas vezes por semana, sempre às terças e quintas-feiras, para pacientes moradores da zona Centro-Sul de Manaus. Todos os meses, 16 pacientes são assistidos pela equipe, que aproveita a visita para fazer os exames de contatos – ou seja, pessoas que mantém convívio diário com um paciente em tratamento.

Para realizar a visita domiciliar, a equipe do Alfredo da Matta verifica os pacientes que não compareceram às consultas e entra em contato por telefone, comparecendo de forma discreta ao domicílio, com o cuidado de não constranger as famílias, que em sua maioria ainda temem pelo preconceito que possa surgir na vizinhança.

No mês de outubro, além de Manaus, o município de Iranduba será visitado nos dias 19 a 23, levando a supervisão, monitoramento e intensificação das ações do Programa de Hanseníase do Estado do Amazonas à localidade.

*Com informações da assessoria

 Leia mais:

Mais de 40 casos de hanseníase foram identificados durante verão amazônico

Ruínas de Paricatuba marcam a Belle Époque amazonense

Preocupação com câncer de pele se intensifica durante verão amazônico