Pandemia


FVS diz que volta às aulas não causou aumento nos casos de Covid no AM

Mais de 5 mil servidores da rede estadual já foram testados

Diretora-presidente da FVS-AM, Rosemary Costa Pinto, apresentou a situação epidemiológica atual do estado
Diretora-presidente da FVS-AM, Rosemary Costa Pinto, apresentou a situação epidemiológica atual do estado | Foto: Arthur Castro/Secom

Manaus - O retorno às aulas presenciais nas redes pública e particular de ensino não representou aumento significativo de casos do novo coronavírus (Covid-19) no Amazonas, de acordo com a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM).

Durante reunião com os poderes e representantes de classe, nesta sexta-feira (11), a diretora-presidente da Fundação, Rosemary Costa Pinto, apresentou a situação epidemiológica atual do estado e reforçou que, se respeitadas as medidas de segurança nas escolas, a volta às aulas não oferece riscos à saúde de alunos e professores.

“A nossa análise de dados demonstra que nós não tivemos, até agora, impacto sobre a saúde dos estudantes com a reabertura das aulas do Ensino Médio, pela rede estadual. Temos detectado 28% de positividade, mais de 5 mil professores testados, sendo que cerca de 90% desses casos são em professores que tiveram a doença nos meses de abril, maio e junho, durante o auge da pandemia”, ressaltou Rosemary Pinto.

“Os casos de IgG e IgM positivos estão sendo acompanhados de perto, e todas as escolas estão passando por um monitoramento rigoroso, o que garante que não está havendo nenhum surto na comunidade escolar, nas escolas estaduais”, acrescentou a diretora-presidente.

De acordo com os dados apresentados durante a reunião, o Amazonas registrou, na última semana, uma redução de 14% nos casos de Covid-19. Somente no interior a desaceleração foi de 22%. Contudo, a capital apresentou aumento de 2% na quantidade de casos, no mesmo período.

“Os nossos dados demonstram um pequeno aumento no número de casos, principalmente depois de semanas em que a curva de casos era descendente e a investigação epidemiológica demonstra que as pessoas que estão adoecendo, sendo internadas, algumas na UTI, depois de se exporem em aglomerações, principalmente em ambientes de recreação. O aumento desses casos que estamos vendo hoje não se deve à reabertura das escolas”, enfatizou Rosemary Pinto.

Ainda segundo a Fundação, a média móvel dos casos de Covid-19, nos últimos 14 dias, foi de -10% no estado, -16% no interior e -0,2% na capital.

Testagem em servidores 

A FVS-AM e a Secretaria de Estado de Educação e Desporto testaram mais 5.154 servidores da educação da rede pública estadual, que atuam no Ensino Médio, para Covid-19. Segundo os dados do relatório, 94,1% tiveram resultado negativo, ou positivo com presença de anticorpos. Esse número representa 4.849 dos testes realizados.

Do total dos números positivos, 305 foram de infecção recente (IgM). Ou seja, somente 5,9% estavam no período de transmissão ativa da doença. Entre os casos de IgG, que indicam a contaminação antiga, foram identificados 1.465 casos.

De acordo com relatório da FVS-AM, finalizado com as informações de 18 de agosto a 8 de setembro, os números indicam que, dos casos notificados como IgG, a provável infecção do vírus se deu por meio de transmissão comunitária, possivelmente entre os meses de abril, maio e junho, no auge da pandemia em Manaus, no período de recesso escolar.

Vigilância 

Para acompanhar os casos, a FVS-AM implantou o “Sistema de Vigilância Ativa nas Escolas”, que faz uma busca, em tempo real, dos casos suspeitos ou confirmados de síndromes respiratórias, incluindo a Covid-19, na comunidade escolar. A vigilância ativa nas escolas da rede estadual é realizada por meio do monitoramento de notificações de casos de síndrome gripal identificados nas escolas no aplicativo Sasi, desde o retorno das aulas presenciais, em 10 de agosto.

*Com informações da assessoria

Leia mais:

Detran realiza leilão virtual de mil veículos 

Governador confirma: festival de Parintins só em 2021

No AM, cinco pessoas morreram por Covid-19 nas últimas 24 horas