Denúncia


Em Manaus, bebê morre na hora do parto e família aponta negligência

Gabrielle da Silva esperou 39 semanas para ver o rostinho da filha. Infelizmente, a bebê já nasceu sem vida

O caso aconteceu na Maternidade Ana Braga
O caso aconteceu na Maternidade Ana Braga | Foto: Divulgação


Manaus- Todos esperavam pela chegada da pequena Ariela, mas ninguém imaginava que a bebê chegaria ao mundo sem vida. A tragédia aconteceu na manhã desta segunda-feira (14), na maternidade Ana Braga localizada na avenida Cosme Ferreira, bairro São José I, zona Leste de Manaus. Ao nascer, a criança estava sem os batimentos cardíacos e a família disse ao EM TEMPO que houve negligência médica.

Gabrielle da Silva Ribeiro completou 21 anos neste domingo (13) e, durante a celebração de mais um ano de vida, começou a sentir contrações. Grávida de 39 semanas, a mulher foi junto com o marido, Robson Oliveira Moraes, para a maternidade.

“Quando eles chegaram na maternidade foram atendidos pela equipe médica plantonista. Gabrielle fez exercícios na bola e todos os outros que a instruíram. Ela começou a sangrar e nada de operar. Marcaram uma cesariana para às 5h30 da manhã desta segunda, no entanto o parto só foi realizado às 7h30, já pela médica plantonista de hoje”, contou Miriam Silva, tia da parturiente.

Na hora do nascimento

Para a família, a morte poderia ter sido evitada se o horário da cirurgia tivesse sido respeitado. Ainda segundo as informações da família, um enfermeiro fez descaso da situação fazendo com que o parto acontecesse apenas em outro plantão.

“A neném nasceu sem vida, toda roxinha. Temos certeza que ela passou da hora de nascer. Ela estava com a cabeça machucada, e suspeitamos que o pescoço tenha sido lesionado. Queremos justiça, isso foi negligência. O laudo da causa da morte diz que a criança morreu de uma parada cardiorrespiratória e isso só confirma o que achamos. Nem o corpo estão liberando para velarmos”, disse a tia.

Os pais da criança disseram que era visível o trabalho da equipe médica desta manhã (14), mas que infelizmente havia sido tarde demais. A médica tentou reanimar várias vezes a recém-nascida, mas não obteve sucesso.

Posicionamento da SES

Em nota, a Secretaria de Estado do Amazonas (SES-AM) lamentou o ocorrido e informou que a direção da maternidade vai abrir sindicância para investigar os procedimentos adotados pela equipe de profissionais durante o atendimento da paciente. 

Eles explicaram ainda, que a paciente deu entrada na unidade às 01h46 da manhã desta segunda-feira (14), com 39 semanas de gestação, sendo acompanhada pela equipe médica e de enfermagem até o momento do parto, às 07h50. A criança nasceu sem batimentos cardíacos, tendo sido realizado procedimento de reanimação após o parto por cerca de 20 minutos, mas não hopuve sucesso. 

A SES-AM informou ainda, que a família recebeu toda a assistência por parte da equipe de Assistência Social da unidade sobre como proceder diante do caso.

Leia Mais: 

Dupla suspeita de homicídio é presa em Presidente Figueiredo

Ao menos uma morte foi registrada na explosão em Itamarati, no AM

Vídeo: polícia acaba com rave clandestina em flutuante no Tarumã