Fonte: OpenWeather

    Resgate


    Crianças que pediam esmola em ruas de Manaus são levadas para abrigo

    Os trabalhos se concentraram em pontos da avenida Boulevard Álvaro Maia, Djalma Batista, Maceió e Recife. Aproximadamente 17 crianças e adolescentes tiveram que ser encaminhados para uma unidade de acolhimento institucional

    Ação realizada pelo Conselho Tutelar da Zona Centro-Sul
    Ação realizada pelo Conselho Tutelar da Zona Centro-Sul | Foto: Divulgação

     Manaus -Expostas a riscos diariamente, crianças, que eram usadas pelas mães para pedir esmolas em sinais de trânsito de Manaus, foram resgatadas na noite desta quinta-feira (24). O resgate aconteceu em uma ação realizada pelo Conselho Tutelar da Zona Centro-Sul, em parceria com Comissão de Proteção e Defesa dos Direitos das Crianças, Adolescentes e Jovens da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), presidida pelo deputado Álvaro Campelo.

    Os trabalhos se concentraram em pontos das avenidas Boulevard Álvaro Maia, Djalma Batista, Maceió e Recife. Aproximadamente 17 crianças e adolescente tiveram que ser encaminhados para uma unidade de  acolhimento institucional. 

    "No total, oito famílias foram identificadas. Algumas foram abordadas pela primeira vez e receberam advertências. Nós fizemos os cadastros para o acompanhamento delas. Já as mães que são reincidentes, que já receberam advertências em outras ocasiões, tiveram que receber medidas mais severas. Eles tiveram os filhos recolhidos para abrigos", explicou o conselheiro tutelar Rafael Duarte. 

    Duarte informou, ainda, que as mães ainda serão autuadas pelas irresponsabilidades. "Foi gerado Boletim de Ocorrência e os responsáveis responderão de acordo com as medidas cabíveis. O conselho tutelar vai continuar o seu trabalho, que é aplicar as medidas de proteção às crianças, que deveriam estar brincando, estudando, mas não correndo risco nos sinais", disse . 

    Em uma breve entrevista na sede da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) para onde foi encaminhada, uma das mães informou ao portal EM TEMPO que leva os cinco filhos para as ruas porque precisa de dinheiro para a alimentação e para pagar a diária do local onde eles moram. Bastante comovida, a mulher ainda relatou que a única fonte de renda dela, atualmente, é o auxílio emergencial.

    "Sou só eu e meus filhos. Temos que pagar R$ 40 por dia na estância onde moramos. Sou separada e o pai ainda ajuda quando pode. Hoje não tínhamos nada e resolvi ir pedir nas ruas", contou. 

    Veja a entrevista com o conselheiro tutelar