Fonte: OpenWeather

    Perda


    Furacão do Boi: Klinger Araújo morre de Covid-19 em Manaus

    Ele estava internado desde o início de setembro por complicações nos pulmões

    Ele estava internado por complicações pela Covid-19
    Ele estava internado por complicações pela Covid-19 | Foto: Reprodução

    Manaus - Morreu na manhã desta terça-feira (29) por complicações da Covid-19, o cantor Klinger Araújo, de 51 anos, no Hospital Samel Boulevard, localizado na avenida Álvaro Maia, bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul. Com 50% dos pulmões comprometidos, o "Furacão do Boi" estava internado desde o último dia 13 de setembro.

    Segundo a família do cantor, Klinger apresentava boa recuperação, mas precisou voltar para o hospital no início de setembro. Uma grande mobilização de orações pela recuperação do cantor foi feita pelas torcidas dos bois Garantido e Caprichoso.

    Logo após a divulgação da morte de Klinger, amigos e familiares prestaram homenagens ao cantor.

    "Eu sempre irei me lembrar do quanto você ria de tudo. Fazia piada nos momentos tristes só para ver sorriso no rosto de quem estava ao seu redor. Hoje perdemos um grande cantor, um grande compositor, que era  tão importante para a cultura amazonense. Vou carregar para sempre as lembranças que tive de você, cantando, dançando e sorrindo", disse uma fã. 

    Lamentos

    O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, e a primeira-dama e presidente do Fundo Manaus Solidária, Elisabeth Valeiko Ribeiro, lamentaram a morte do artista.

    “Aos 51 anos, Klinger ou o ‘Furacão do Boi’, como era conhecido, deixa a cidade de Manaus e todo o Amazonas de luto e com o coração entristecido. É mais uma vítima dessa doença nefasta e sai de cena, prematuramente, deixando o sentimento de que ele ainda tinha muito a contribuir com nossas manifestações culturais”, disse o prefeito.

    Klinger viveu em Manaus desde os 13 anos e foi um dos responsáveis pelo crescimento do movimento boi-bumbá na capital do Amazonas, nos anos 1980 e 1990. Tinha múltiplos talentos: além de músico, compositor e levantador de toadas, fez sua vida profissional como radialista, atuando nas rádios Alvorada (Parintins) e Difusora (Manaus), além de ter se revelado um excelente comediante e imitador.

    “Ele tinha uma veia inegável de artista e de comunicador e se entregou de corpo e alma ao boi-bumbá, sendo um dos primeiros locutores de rádio a divulgar as toadas que recebia de seus amigos compositores”, resgatou a primeira-dama. “Deixará saudades e muitas histórias para essa e as futuras gerações”, destacou Elisabeth Valeiko.

    O presidente do Caprichoso, Jender Lobato e o vice Karu Carvalho, decretam luto de 3 dias na Agremiação Cultural, em respeito à memória do artista que muito contribuiu para a exaltação da toada e divulgação do Festival Folclórico de Parintins. 

    "No dia em que lembramos nove meses da partida do Pop da Selva, Arlindo Júnior, o Furacão do Boi, Klinger Araújo, resolveu ao lado dele e de Emerson Maia, cantar as toadas azuladas no firmamento azul. Ficam nas nossas memórias os grandes momentos e o encontro desses amigos no teatro da vida, como a emocionante flauta de Klinger Araújo acompanhando a interpretação de Arlindo Júnior, no Teatro Amazonas", diz Jender. 

    A última apresentação de Klinger Araújo, em Parintins, pelo boi Caprichoso, foi durante o Carnaboi 2020, onde comandou a Nação Azul e Branca e ainda foi homenageado no Carnailha pelo bloco Fax Clube. 

    De alegria contagiante e de um humor extraordinário, Klinger saiu de Parintins para trabalhar em Manaus. Como radialista foi o pioneiro a tocar toadas de boi-bumbá nas emissoras da capital amazonense, evidenciando artistas e os bumbás de Parintins. Como artista, defendeu as duas cores e ainda representou o nosso folclore em programas de TV nacionalmente. 

    "Hoje, Klinger, sua flauta se silencia. Seu bailado chora. Seu palco está vazio. E mesmo com as cortinas do palco da vida se fechando sem termos a oportunidade da despedida, o aplaudimos de pé! O Boi Caprichoso, sua diretoria e a Nação Azul e Branca se despendem com um MUITO OBRIGADO por tudo!", agradece a diretoria do Caprichoso.

    Klinger Araújo deixa uma família de artistas, a esposa Vanessa Alfaia, o filho Klinger Júnior e a filha Iandiara, de apenas 8 anos.

    Leia mais:

    Amazonas receberá mais 300 mil testes para Covid-19

    Novos casos em Manaus não são segunda onda, diz pesquisador