Pesquisa


Pesquisadores estudam frutos da Amazônia para geração de energia

No estudo, são utilizadas macaúba, tucumã, e o cupuaçu como fontes de produção

Em razão de suas caraterísticas físicas e químicas, os carvões têm a possibilidade de uso na indústria siderúrgica, devido ao alto terno de carbono encontrado, principalmente no tucumã e na macaúba
Em razão de suas caraterísticas físicas e químicas, os carvões têm a possibilidade de uso na indústria siderúrgica, devido ao alto terno de carbono encontrado, principalmente no tucumã e na macaúba | Foto: Divulgação

 

Manaus - Uma pesquisa científica realizada com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), analisa a utilização de matéria orgânica (biomassa) para a produção de fontes de energias renováveis e viáveis.

O projeto intitulado “Carbonização e gaseificação de resíduos da macaúba, tucumã e cupuaçu para geração de eletricidade” foi desenvolvido na Universidade Federal do Amazonas (Ufam). O estudo chegou a ser publicado na Revista Interdisciplinar de Pesquisa em Engenharia e no International Journal of Mechanical Engineering and Automation.

Segundo o coordenador de pesquisa Fábio Lisboa, em processos de energia e tratamento de água, a Amazônia possui grande potencial com fonte de recursos naturais, tendo a possiblidade de geração de energia.

“O uso destes recursos pode representar um diferencial de custo importante, maximizando a lucratividade das atividades econômicas desenvolvidas localmente e reduzindo impactos ambientais”, explica Fabio. 

Produção

A partir de frutos nativos da floresta Amazônica como a macaúba, tucumã, e o cupuaçu, pesquisadores identificaram a possibilidade tecnológica para a produção de energia natural. Além de agregar na valorização de cultura da região. A pesquisa colabora com o potencial de geração de energia.

No estudo, foram utilizados processos termoquímicos conhecidos como carbonização e gaseificação de resíduos para a produção de serviços naturais, como o carvão vegetal e o gás de síntese – mistura combustível de gases a partir de processos térmicos.

Tendo como resultado a criação de carvões vegetais esféricos íntegros com boa resistência mecânica, além disso, não foram encontrados nos carvões estudados elementos maléficos para a utilização humana, como tóxicos e radioativos.

Em razão de suas caraterísticas físicas e químicas, os carvões têm a possibilidade de uso na indústria siderúrgica, devido ao alto terno de carbono encontrado, principalmente no tucumã e na macaúba. E podendo ser também utilizado  na indústria de purificação para o consumo humano, devido a matéria orgânica produzida com uso de carvões ativados.

Considerando as condições típicas do bioma amazônica, na casa de cupuaçu podem ser produzidos até 8,1 de carvão por hectare, representando um potencial de 6,2 ℎ de eletricidade, para cada hectare colhido da fruta. Os resíduos da macaúba podem produzir até 1,4 ℎ enquanto os do tucumã até 1,1 ℎ, considerando a mesma área de colheita, ou seja, um hectare.

Resíduos Vegetais

Visto com alternativa para a geração de energia elétrica, a utilização de recursos naturais para processo de fonte renováveis não é algo novo no meio científico. Segundo dados da Administração de Informações de Energia realizada pela RS Components, a energia hidrelétrica é a fonte de energia renovável mais utilizada em todo mundo.

Em julho deste ano, cientistas da Universidade de Tel Aviv conseguiram demonstrar que plantas possuem capacidade para produção de etanol para uso médico, devido à pandemia de Covid-19. A técnica é baseada em doses menores de ozônio permitindo o recurso para geração de resíduos em álcool de forma mais acessível. 

Leia Mais:

Conheça 10 frutas que só podem ser encontradas na Amazônia 

Estudo aponta potencial do cubiu para a produção de alimentos