Investigação


Alvos da operação Sangria têm prisões prorrogadas por mais cinco dias

Os envolvidos foram presos na última quinta-feira (8) e o prazo inicial dos mandados se encerrava nesta segunda-feira (12)

| Foto: divulgação

Manaus - Os cinco presos na segunda fase da Operação Sangria tiveram as prisões temporárias prorrogadas por mais cinco dias. Os envolvidos foram presos na última quinta-feira (8) e o prazo inicial dos mandados se encerrava nesta segunda-feira (12).

O ex-secretário de Saúde do estado, Rodrigo Tobias, a ex-secretária executiva da pasta, Dayana Mejia, o engenheiro clínico Ronald Gonçalo Caldas Santos, marido da ex-secretária de comunicação do estado, Luiz Carlos de Avelino Júnior e Gutemberg Leão Alencar são investigados pelo superfaturamento em contrato de fornecimento de respiradores mecânicos  hospitalares.

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP) recebeu, na tarde de segunda, a notificação de que as prisões serão mantidas por mais cinco dias. A decisão veio do ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Segundo a Seap, Ronald Gonçalo, Rodrigo Tobias e Luiz Avelino estão presos no Centro de Detenção Provisória Masculino 2 (CDPM2). Já Gutemberg Alencar, por ser policial militar da reserva, está preso no Batalhão de Choque. Dayana Mejia de Sousa permanece presa no Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF).

O vice-governador do estado, Carlos Almeida (PTB), também foi um dos alvos da operação. Ele teve mandados de busca e apreensão autorizados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), por conta do foro privilegiado.

Leia Mais: 

Confira quem são os presos na 'Operação Sangria', no Amazonas

Governo do Amazonas afirma que está contribuindo com a operação da PF