Alerta no AM


FVS alerta para Síndrome Respiratória Aguda Grave em estação chuvosa

O alerta são para vírus respiratórios que continuam circulando no Estado e podem ser confundidos com Covid-19

O período chuvoso é caracterizado por registros de doenças na população
O período chuvoso é caracterizado por registros de doenças na população | Foto: Suyanne Lima

Manaus - A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) alerta para o início da sazonalidade de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) a partir da ocorrência de chuvas, em Manaus, que pode ser acompanhada pelo aparecimento de infecções respiratórias.

A diretora-presidente da FVS-AM, Rosemary Costa Pinto, alerta que os vírus respiratórios continuam circulando no Estado e podem ser confundidos com Covid-19 por causarem, no organismo humano, os mesmos sintomas iniciais que a infecção pelo novo vírus. 

“Nos próximos meses, nós certamente teremos o aumento da circulação desses vírus que coexistirão com o novo coronavírus. Em função disso, nós estamos ampliando o escopo de diagnósticos desses vírus respiratórios”, afirmou Rosemary.

Em setembro, foram registrados 1.402 hospitalizações por SRAG no estado, sendo 1.088 por covid-19 e outros 314 por outros agentes. 

Em outubro, até a última terça-feira (13), foram 397 hospitalizações por SRAG, sendo 264 por covid-19 e 133 por SRAG causadas por outros agentes. Os dados são do Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe), do Ministério da Saúde.

A SRAG é causada por diferentes vírus respiratórios, como Metapneumovírus, Vírus Sincicial Respiratório (VSR), Adenovírus, Influenza A (H1N1) e Influenza B. 

Outros agentes causam impacto e influenciam também no aumento dos casos de síndrome, como a bactéria Streptococcus pneumoniae, principal causadora da pneumonia bacteriana, e Mycobacterium tuberculosis, o Bacilo de Koch, que causa a tuberculose.

*Com informações da assessoria

Leia mais:

Professores mortos por Covid-19 são lembrados em ato na Ponta Negra

'Requalifica' tem investimentos de R$54 milhões, diz Arthur