Fonte: OpenWeather

    Câncer


    FCecon lança movimento contra câncer de colo do útero no AM

    Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), 700 mulheres devem ser diagnosticadas com câncer de colo uterino em 2020, no estado

    O HPV é um vírus extremamente contagioso, adquirido por meio de contato íntimo ou pela relação sexual
    O HPV é um vírus extremamente contagioso, adquirido por meio de contato íntimo ou pela relação sexual | Foto: Reprodução

    Manaus - A Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), unidade vinculada à Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), lança, nesta terça-feira (27), às 9h, o “Movimento Amazonas sem Câncer de Colo Uterino”. 

    Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), 700 mulheres devem ser diagnosticadas com câncer de colo uterino em 2020, no estado.

    A iniciativa vai ocorrer em frente ao Ambulatório da unidade para alertar a população quanto à importância de vacinar meninos e meninas contra o Papilomavírus Humano (HPV). 

    Segundo a chefe do serviço de Ginecologia da FCecon, ginecologista Mônica Bandeira, por se tratar da infecção sexualmente transmissível mais comum em todo o mundo, homens e mulheres são afetados.

    “Existem os subtipos de HPV. Os de baixo risco para o câncer, esses causam verrugas genitais chamadas vulgarmente de ‘cristas de galo’. E existem os de alto risco, que causam os cânceres de colo uterino, ânus, pênis e garganta”, explica a médica da FCecon.

     Para prevenir a doença, a primeira indicação é vacinar contra o HPV meninas dos 9 aos 14 anos e meninos dos 11 aos 14 anos. 

    “A vacina é gratuita, segura e eficaz e está disponível nos postos de saúde. Não tem nenhuma conotação sexual, não estimula o sexo”, ressalta Mônica Bandeira. São necessárias duas doses da vacina, a segunda seis meses após a primeira.

    Além da vacina, outra importante medida é a realização do exame Papanicolau, o preventivo, uma vez ao ano, para as mulheres que já iniciaram sua vida sexual. 

    O uso de camisinha nas relações sexuais, além de ajudar na prevenção do HPV, é fundamental para se proteger de outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), como gonorreia, sífilis e HIV.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Síndrome associada à Covid-19 afeta crianças e gera alerta aos pais

    Confira como descartar medicamentos corretamente