Pandemia no Amazonas


Ribeirinhos da comunidade Monte Sinai recebem cestas básicas

Trinta e nove famílias residentes na comunidade foram beneficiadas com cestas básicas adquiridas pela Prefeitura de Manaus

As famílias que vivem no local têm como fonte principal de renda a pesca e a produção de farinha | Foto: divulgação

Distante 80 quilômetros de Manaus, a comunidade ribeirinha Monte Sinai recebeu nesta terça-feira (10), a campanha “Abraço Solidário na Pandemia”, de atenção às pessoas em situação de vulnerabilidade em decorrência da pandemia de Covid-19. Trinta e nove famílias residentes na comunidade foram beneficiadas com cestas básicas adquiridas pela Prefeitura de Manaus, a partir dos recursos do governo da França. 

Para a primeira-dama Elisabeth Valeiko Ribeiro, presidente do Fundo Manaus Solidária, órgão responsável pela coordenação e entrega das cestas, a doação na área ribeirinha da capital reforça o compromisso da prefeitura em dar assistência às pessoas mais prejudicadas pelo coronavírus. 

"A zona ribeirinha foi muito afetada pelos efeitos da pandemia e poder dar assistência alimentar em algumas das comunidades em torno da área urbana de Manaus nos alegra e fortalece nosso sentimento de gratidão. No início da pandemia, o prefeito Arthur Virgílio Neto fez um apelo aos líderes mundiais para que ajudassem nossa cidade a superar um momento crítico e o governo da França nos estendeu as mãos e estamos distribuindo mais de 15 mil cestas básicas para nossa população", afirmou a primeira-dama. 

A zona ribeirinha foi muito afetada pelos efeitos da pandemia
A zona ribeirinha foi muito afetada pelos efeitos da pandemia | Foto: divulgação


Criada oficialmente em 2005, a comunidade ribeirinha Monte Sinai possui 65 famílias, totalizando 222 pessoas. Presidente da comunidade, Lindomar de Oliveira Moura conta que, após a chegada da pandemia, muitas famílias entraram em situação de vulnerabilidade. 

“Em nome da comunidade Monte Sinai, eu gostaria de agradecer à Prefeitura de Manaus por essa importante ajuda, porque veio em boa hora, para nos ajudar durante esse momento difícil, de seca e de pandemia. Esse é o primeiro auxílio que recebemos e, com certeza, vai fazer toda a diferença na alimentação de nossas famílias”, disse Lindomar. 

Solange de Oliveira Lopes, também moradora da comunidade, explica que as famílias que vivem no local têm como fonte principal de renda a pesca e a produção de farinha e que todos tiveram suas vidas afetadas pela chegada da pandemia. 

“Para nós, essa ajuda é muito importante, porque moramos em um lugar de difícil acesso, o que impossibilita nossa locomoção para a cidade. Estamos passando um momento muito difícil e agradeço muito a todos vocês, por terem nos oferecido esse suporte fundamental, que vai fazer toda a diferença, com certeza”, comentou. 

A coordenadora do setor de Serviço Social, do Fundo Manaus Solidária, Virna Martiniano, destaca a importância do programa “Abraço Solidário na Pandemia”, que oferece assistência a pessoas em situação de vulnerabilidade ou risco social afetadas diretamente pela crise econômica causada pela Covid-19. 

“Desde o início da pandemia, o Fundo Manaus Solidária tem mantido o foco na atenção às famílias em situação de vulnerabilidade. Hoje, estamos aqui na comunidade Sinai, onde todos sobrevivem da venda de pesca e produtos artesanais e tiveram sua fonte de renda afetada. Até agora, beneficiamos mais de 8 mil famílias, fruto da nossa parceria com o governo francês. Além de comunidades ribeirinhas, já foram contemplados outros grupos como quilombolas, indígenas e pessoas atendidas por entidades parceiras”, disse.

*Com informações da assessoria