Fatalidade


Ex-militar morre após ser atingido por raio no ramal do Pau Rosa

O caso ocorreu no sítio onde a vítima morava, no Ramal do Pau Rosa, localizado na BR-174, zona rural de Manaus

| Foto: divulgação

Manaus - O ex-militar da Força Aérea Brasileira (FAB) Gilson Pereira das Chagas, de 28 anos, conhecido como "Batoré", morreu após ser atingido por um raio nesta quarta-feira (11). O caso ocorreu, por volta das 15h30, no sítio onde a vítima morava, no Ramal do Pau Rosa, localizado na BR-174, Zona Rural de Manaus.

Conforme informações da família repassadas à polícia, chovia na localidade quando Gilson e a companheira estavam na beira de um igarapé e foram atingidos pela descarga elétrica. 

Conforme a Polícia Civil, as equipes do 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Instituto Médico Legal (IML) e Instituto de Criminalística (IC) foram acionadas para a propriedade, mas o casal já havia sido socorrido pelos familiares. 

Ainda segundo a polícia, os parentes de Gilson, com a intenção de salvá-lo, conduziram ele e a mulher, que também ficou ferida, para Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Campos Sales, no bairro Tarumã, Zona Oeste da Capital.

Porém, três horas depois, por volta das 18h30, o ex-militar não resistiu e morreu na unidade de saúde. Já a companheira recebeu alta médica durante a noite. 

O corpo de Gilson foi removido para o IML, que apontou a causa da morte como eletroplessão, que é provocada pela exposição do corpo a uma carga letal de energia elétrica, de forma acidental. 

A reportagem não conseguiu localizar a família de Gilson. Nas redes sociais, parentes e amigos lamentaram a perda. 

"O eterno Batoré foi abatido pelo um raio. Uma fatalidade. Vamos ficar apenas com as lembranças que ficaram marcadas nas nossas vidas desde a infância, um menino legal, respeitador e que se tornou também um homem trabalhador, que Deus conforte os nossos corações", diz trechos de uma das homenagens feita à vítima. 

Outros casos 

Um levantamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), feito entre 2000 e 2014, apontou a capital amazonense como a maior em incidência de morte por raios. 

Em fevereiro deste ano, durante um temporal, que atingiu a região metropolitana de Manaus, Luiz Carlos dos Santos Silva, de 53 anos, e Maria Freitas de Lima, de 60 anos, morreram após um raio atingir a casa onde moravam, localizada no ramal do Acajatuba, comunidade Igarapé Grande, em Iranduba.

O imóvel teve perda total e os corpos das vítimas foram carbonizados. 

Leia mais 

Incêndio em Porto de Manaus mostra o perigo dos raios no Amazonas

Tempestades de raios deixam vítimas fatais no interior do Amazonas

Casal morre carbonizado após raio atingir casa em Iranduba, no AM