Heróis de quatro patas


Cães heróis: conheça uma tropa do AM que tem faro de justiça

Eles são treinados para farejar explosivos, drogas, cadáveres, buscas de pessoas desaparecidas em selva, além de ajudarem em operações policiais

Os cães farejadores podem ter o olfato até 100 mil vezes mais apurado do que o dos seres humanos | Foto: Arquivo EM TEMPO

Manaus – Os cães são realmente criaturas muito especiais. Além de companheiros e carinhosos, muitos deles possuem características únicas, o que lhes permite desempenhar papéis fundamentais. Quando o assunto é farejar explosivos e drogas, encontrar pessoas desaparecidas, localizar suspeitos e reforçar operações policiais no Estado do Amazonas, essa “tropa de elite canina” mostra que é osso duro de roer e que missão dada é missão cumprida.

Os cães policiais são essenciais para o trabalho das forças de segurança do Estado. Conforme dados da Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), em 2020, a parceria entre policiais e cães tirou de circulação cinco armas de fogo e munições e localizaram 15 cadáveres. Em 2019, a CipCães foi responsável por mais de 170 operações focadas no combate ao crime.

Quem são os cães?

Segundo a Companhia da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), ao todo são 18 cães que estão em atuação neste ano
Segundo a Companhia da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), ao todo são 18 cães que estão em atuação neste ano | Foto: Divulgação SSP-AM

Segundo a Companhia da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), ao todo são 18 cães que estão em atuação neste ano. Entre as raças estão Pitbull, Rottweiler, Pastor Alemão, Pastor Belga Malinois, Doberman e Labadror. Odin, Tyson, Jade, Ronda e Fiona são alguns dos cachorros que trabalham com a polícia no Amazonas.

Segundo o comandante do CipCães, major Eduardo Freitas, os cuidados com os cães policiais é totalmente diferenciado, visto que a modalidade que estão empregados exige outros processos.

“Tratamos nossos amigos de quatro patas com um pouco mais de reverência e reconhecimento, que lhes é justo, atribuindo-lhes o título honoríficos (dignos) de cães policiais. São cães que passam por um rigoroso processo de seleção desde antes mesmo do nascimento, onde seus pais são avaliados e a sua procedência é meticulosamente estudada, a fim de que atendam todos os requisitos exigidos pela modalidade em que serão empregados”, explica.

Filhotes treinados

A partir de 60 dias de vida, o treinamento já pode ter início
A partir de 60 dias de vida, o treinamento já pode ter início | Foto: Divulgação/ SSP-AM

A partir de 60 dias de vida, o treinamento já pode ter início, com a presença de um responsável pela atuação do cão. Os primeiros passos são sobre a agilidade em pisos com cascalho, lama, piso liso de shopping e de metal. Em seguida, conhecem ambientes com variados sons, desde os mais urbanos até pequenos barulhos como os de bombinhas.

Durante oito anos os cães exercem função, em que são realizados testes para medir a atuação do animal
Durante oito anos os cães exercem função, em que são realizados testes para medir a atuação do animal | Foto: Divulgação/ SSP-AM

Conforme a maturidade do filhote, o nível de dificuldade aumenta, possibilitando uma maior socialização do cão em diversos ambientes. Durante oito anos os cães exercem função, em que são realizados testes para medir a atuação do animal, se deve continuar ou não em atividade.

De acordo com Freitas, são diversas as atividades para que o desenvolvimento do cão seja completo. “Nossos cães diariamente possuem momentos de atividade física, para que esteja sempre condicionado ao pronto emprego, momentos de socialização, potenciação (brincadeiras e atividades direcionadas ao apego do cão pelo seu brinquedo, principal ferramenta de adestramento positivo utilizado na CIPCães) e treinamentos para o emprego operacional do cão", conta.

Cuidados especiais

Ao chegar ao batalhão, os cães passam por cuidados diários para uma higiene e alimentação necessária
Ao chegar ao batalhão, os cães passam por cuidados diários para uma higiene e alimentação necessária | Foto: Divulgação SSP-AM

Ao chegar ao batalhão, os cães passam por cuidados diários para uma higiene e alimentação necessária, além de contarem com o apoio de veterinários.

O adestrador comportamental Gian Carlos Corrêa, explica que a polícia tem uma grande ajuda com os cães de raça que são selecionados e destinados para cada atividade a qual são integrados.

"Os cães são fundamentais no apoio à polícia tanto para salvamento, resgate e entorpecentes. Conheço todo trabalho que é feito pela polícia em Manaus e eles seguem todos os cuidados para o bem-estar do animal, eles possuem horários para treino e todo acompanhamento veterinário”, confirma o profissional.

Na ativa 

A cadela Zoe em uma operação policial que apreendeu mais de 100 quilos de drogas
A cadela Zoe em uma operação policial que apreendeu mais de 100 quilos de drogas | Foto: Divulgação/ SSP-AM

O cão Odin, da Receita Federal, treinado para farejar drogas, encontrou 50 quilos de maconha em duas embarcações durante Operação Parintins 2019.

Em 2019 em uma das apreensões, o agente canino Tyson,  encontrou 25 quilos de maconha do tipo skunk. De acordo com o tenente Afonso Funior que trabalha no adestramento dos pastores belga Tyson e da cadela Jade, que são usados nas operações de combate a narcóticos, os pets já auxiliaram na apreensão de cerca de 250 quilos de drogas.

Em relação à apreensão de entorpecentes, foram contabilizadas 44 ocorrências nos primeiros sete meses do ano, de acordo com a SSP-AM.

Como funciona a aposentadoria

Depois da aposentadoria, a CipCães deve escolher um novo lar para o animal, onde diariamente seja cuidado
Depois da aposentadoria, a CipCães deve escolher um novo lar para o animal, onde diariamente seja cuidado | Foto: Bruno Zanardo/Secom

Os cães policiais podem se aposentar a partir dos 8 anos, idade em que geralmente estão mais cansados para continuar a rotina. Depois da aposentadoria, a CipCães deve escolher um novo lar para o animal, onde diariamente seja cuidado, depois de um tempo a equipe de policiais pode visitar o cão para verificar como está a condição do animal. 

Em outubro deste ano, a cadela policial Vênus, de seis anos de idade, responsável por auxiliar equipes da Polícia Militar foi para reserva e se aposentou de seus serviços como cão policial integrante da Companhia Independente de Policiamento com Cães (Cipcães).

De acordo com o comandante, a partir do sexto ano de vida dos cães policiais, já se inicia a avaliação do desempenho no serviço diário. Nessa idade, eles começam a apresentar certo cansaço e então, já sabem que é hora de procurar um responsável para adoção consciente.

“A Vênus chegou aqui com três meses de idade, e ela passou por um treinamento em torno de um ano para o faro de narcóticos e faro de armamento. No decorrer desses anos, ela participou de diversas operações e conseguiu localizar uma quantidade em torno de sete toneladas de substância entorpecente dos mais diversos tipos”, relatou.

Leia Mais:

Mulheres são presas com droga colada ao corpo em Coari

Suspeito é preso transportando quase 20 kg de drogas para Manaus