Obras


Redes de abastecimento serão modernizadas em Manaus

São Jorge e Vila da Prata a partir desta semana serão modernizadas pela Água de Manaus

Cerca de 40 mil moradores dos bairros Vila da Prata, São Jorge, Conjunto Vitória Régia e Conjunto Jardim dos Barés serão beneficiados | Foto: Divulgação

Manaus – São Jorge e Vila da prata na Zona Oeste de Manaus nesta semana vão passar por uma série de intervenções de abastecimento.

Cerca de 40 mil moradores dos bairros Vila da Prata, São Jorge, Conjunto Vitória Régia e Conjunto Jardim dos Barés serão beneficiados. As obras são fruto de um projeto idealizado pela concessionária Águas de Manaus para a área e iniciam nesta terça-feira (17).

Nos últimos meses, equipes da empresa percorreram todas as ruas abrangidas pelo sistema hidráulico São Jorge, mapeando anomalias como vazamentos invisíveis e locais que apresentavam baixa pressão e oscilações de abastecimento. A partir disso, a empresa montou um pacote com mais de 60 intervenções para modernizar o sistema e resolver todas as situações detectadas.

A região receberá, até a segunda quinzena de dezembro, a implantação de 5 mil metros de novas redes, que devem reforçar a distribuição de água tratada na área. As novas tubulações variam de 60 a 150mm e vão substituir redes antigas, que estão sob residências. Equipamentos como válvulas reguladoras de pressão, registros e macromedidores de vazão também serão instalados em diversos pontos do sistema.

Além de ampliar a eficiência e a segurança operacional, o pacote de obras de modernização do sistema São Jorge vai promover a regularização de ligações da região e trazer melhorias como a redução do desperdício, controle de pressão e melhor distribuição de água tratada nas tubulações. Com isso, o número de vazamentos e intervenções emergenciais que causem falta de água na região deve diminuir consideravelmente. 

A partir do Centro de Controle Operacional (CCO) da Águas de Manaus, que fica na sede da empresa, no Aleixo, será possível monitorar e controlar remotamente parâmetros de pressão e volume de água dentro das tubulações do sistema hidráulico São Jorge. “Vamos dividir o São Jorge em seis distritos de medição e controle e a partir disso, poderemos detectar qualquer anormalidade no sistema de abastecimento a partir do CCO e já acionar equipes para corrigir qualquer falha sem parar o sistema inteiro. Nossa intenção, com isso, é manter o abastecimento constante na área. Novos projetos de modernização de redes, semelhantes a este do São Jorge, devem ser implantados em outros bairros da cidade no próximo ano”, afirma o coordenador do CCO da Águas de Manaus, Guilherme Giacometi.

DE PORTA EM PORTA – A empresa estabeleceu um cronograma de obras que não causará grandes impactos na rotina da população que mora nos bairros abrangidos pelo sistema São Jorge. A cada semana, as ruas que receberão novas redes serão visitadas por colaboradores da empresa, que vão passar de casa em casa explicando previamente os prazos e a importância do serviço para cada morador.

Todas as valas abertas durante as obras serão reaterradas no mesmo dia e o asfaltamento das vias será realizado em, no máximo, 48 horas após a conclusão do serviço na rua. “A Águas de Manaus é uma empresa que busca sempre o bom relacionamento com a cidade em todos os serviços que realiza. Por isso, vamos promover a modernização de redes no São Jorge e adjacências com o maior cuidado, informando a população. O morador que tiver qualquer dúvida, terá um canal direto com nossas equipes. Vamos também contar com o apoio das lideranças comunitárias, que são parceiras da empresa através do programa Afluentes”, detalha o diretor-executivo Luiz Couto.

MELHORIAS POR TODA A CIDADE - A Águas de Manaus também está promovendo obras de melhorias no sistema de abastecimento em diversos pontos da cidade. Bairros abrangidos pelos sistemas Viver Melhor, São José, Mocó, Monte das Oliveiras e Novo Israel estão recebendo intervenções de setorização, para otimizar o fornecimento de água tratada nestes locais. Um dos principais benefícios da setorização é a melhor distribuição na pressão de água dentro das tubulações. A partir do momento em que isso é regulado, a possibilidade de vazamentos e manutenções emergenciais na rede diminui. Cerca de quatro quilômetros de novas tubulações devem ser implantados nesses trabalhos, além de equipamentos como válvulas e registros.

*Com informações da assessoria

Leia Mais:

Quase metade da população do Amazonas vivia em extrema pobreza

Marinha envia suporte para auxiliar população do Amapá

Abastecimento de água em Japurá terá investimento de R$ 1 milhão