Saúde


Governo do Amazonas cria plano para evitar superlotação em hospitais

As medidas fazem parte da reorganização da Rede Estadual de Saúde, promovida pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), dentro do Programa Saúde Amazonas e conta com a excelência do Hospital Sírio Libanês

As medidas adotadas mostraram resultados eficientes
As medidas adotadas mostraram resultados eficientes | Foto: SES-AM/Divulgação

O Governo do Amazonas está buscando maneiras de reduzir o tempo de internação de pacientes, usando técnicas aplicadas, mudança no fluxo de atendimento e cirurgias eletivas no período noturno. A medida está sendo adotada para melhorar a oferta de leitos e evitar a superlotação de hospitais e prontos-socorros (HPSs) João Lúcio Machado, Platão Araújo e 28 de Agosto.

O objetivo é fazer com que, dependendo da classificação de risco definida no protocolo de Manchester, os pacientes sigam caminhos diferentes dentro da unidade e tenham sua situação resolvida dentro do tempo preconizado.

Estratégias de atendimento 

Para pacientes com classificação azul e verde, que não são atendimento de urgência e emergência, foi criado o Consultório de Atendimento Rápido (Fast Track). Nessa modalidade, o paciente é atendido pelo médico no consultório, é medicado e, tendo a situação resolvida, liberado sem ter que acessar corredores e as áreas de internação. 

Pacientes com classificação de risco amarelo e laranja são encaminhados por um fluxista à Unidade de Decisão Clínica (UDC), onde devem permanecer em leito de observação por um tempo médio de três horas e não pode ser superior a oito horas. É o tempo para a realização de exames e avaliação médica sobre a necessidade ou não de internação.

O sistema utilizado tem a colaboração do Hospital Sírio Libanês
O sistema utilizado tem a colaboração do Hospital Sírio Libanês | Foto: SES-AM/Divulgação

Já a Unidade de Curta Permanência (UCP) é para o paciente que precisar ficar mais tempo para uma melhor investigação do caso. Nesse espaço, o tempo de internação não deve ser superior a três dias, devendo o paciente seguir para alta ou internação nos andares superiores. Os novos protocolos resultam em corredores cada vez mais vazios.

Resultados na pandemia 

As medidas já produzem resultados consideráveis na agilização do atendimento nos HPSs João Lucio Machado, Platão Araújo e 28 de Agosto. Nessas unidades, mesmo diante da pandemia de Covid-19, é cada vez menor a presença de macas em corredores, e o tempo de espera para uma cirurgia ortopédica, conforme relata a diretora do HPS Platão Araújo, Aída Cristina Tapajós, ao mostrar os corredores da unidade vazios.

Cirurgias noturnas para girar leitos 

Para reduzir o tempo de permanência dos pacientes na internação e vagar leitos, o Governo do Amazonas iniciou um plano de cirurgias ortopédicas no período noturno.

Com a aplicação do sistema, os atendimentos podem ser feitos de maneira mais rápida
Com a aplicação do sistema, os atendimentos podem ser feitos de maneira mais rápida | Foto: SES-AM/Divulgação

Procedimentos eletivos que demoravam de três semanas a um mês para serem realizados hoje estão sendo feitos em três dias, se a situação clínica do paciente permitir. 

Em 20 dias do Plano Giro de Leitos, foram realizados 205 procedimentos cirúrgicos no período noturno nos três HPSs.

Saúde Amazonas 

O Saúde Amazonas tem o objetivo de reestruturar e otimizar a rede de assistência no Amazonas. Com o programa, serão implantados mais de 180 projetos de modernização da SES-AM. Entre outras metas da iniciativa estão a ampliação de leitos, fortalecimento da transparência e controle e valorização dos servidores, melhorando a prestação dos serviços à população.

*Com informações da assessoria

Leia mais:

 Cetam inicia curso para agentes comunitários de saúde 

Próximo 'coronavírus' pode vir da Amazônia, diz estudo 

Vírus mortal que causa febre hemorrágica é encontrado na Bolívia