Fonte: OpenWeather

    Prevenção


    Fiscalização realiza mais de mil vistorias em combate a Covid-19 no AM

    CIF aplicou mais de 600 punições a estabelecimentos por descumprir decretos de prevenção da Covid-19

    | Foto: Divulgação/Secom

    Manaus - A Central Integrada de Fiscalização (CIF), coordenada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), realizou mais de mil vistorias a bares, restaurantes e eventos em Manaus para verificar o cumprimento dos decretos do Governo do Estado de prevenção à Covid-19.

    As ações focadas neste trabalho começaram em junho. De lá para cá, 321 espaços foram fechados, 255 receberam notificações ou autuações, e 72 foram interditados pelas equipes compostas por policiais, agentes sanitários e de trânsito. 

    Quando ocorrem as ações?

    As ações da CIF ocorrem sempre aos finais de semana, entre sexta e domingo, com base nas denúncias feitas ao 190 e recebidas diretamente pelos órgãos que integram o colegiado da operação. A fiscalização é abrangente, e acontece em todas as zonas da capital. 

    De acordo com o secretário executivo-adjunto de Gestão Integrada da SSP, coronel Hermes Macedo, a Central exerce um trabalho fundamental na prevenção da Covid-19.

    Eventos clandestinos

    Ainda de acordo com Hermes, a dificuldade tem sido os eventos clandestinos, que reúnem grande público. Nos anúncios, os organizadores não colocam endereço e só fornecem o endereço ao participante após pagamento, minutos antes da festa começar. Isso exige um trabalho de investigação redobrado. 

    Além de desrespeitar todas as normas sanitárias de prevenção ao novo coronavírus, os eventos clandestinos também desprezam regras básicas de segurança, como os itens para prevenção de incêndios e outros acidentes. Quem compra ingresso para participar dessas festas não tem noção do risco que está correndo. 

    “Muitos buscam formas de burlar os decretos. Eles colocam pessoas nas proximidades do CICC (Centro Integrado de Comando e Controle) para avisar quando as equipes estão saindo. Quando os agentes chegam, eles apagam as luzes, desligam o som, todos os presentes ficam quietos para parecer que não tem ninguém no local”, descreveu. 

    Leia mais:

    www.emtempo.com.br/ultimas