Fonte: OpenWeather

    Mídias Sociais


    Indígena divulga seu dia a dia e conhecimentos nas redes sociais

    A influenciadora indígena Ira Maragua, dá dicas de artesanato e ensina a fazer cosméticos com frutos naturais típicos da Amazônia

    Com postagens diárias nas redes sociais, a jovem influencer faz sucesso na internet compartilhando a sua paixão pela cultura dos povos indígenas | Foto: Reprodução/ Instagram

    Manaus - Natural de São Gabriel da Cachoeira, a indígena Ira Maragua, de 21 anos, compartilha seus costumes e tradições indígenas para mais de 22 mil seguidores. Ira se mudou capital há três anos buscando novas oportunidades e atrelar seus estudos de enfermagem ao trabalho de influencer.

    Maragua relatou que dentro das mídias sociais os indígenas são vistos com 'estereótipos' e se deu conta que a sociedade precisava enxergar os indígenas de maneira diferente da que estão acostumados

    Natural de São Gabriel da Cachoeira, a indígena Ira Maragua, tem 21 anos
    Natural de São Gabriel da Cachoeira, a indígena Ira Maragua, tem 21 anos | Foto: Arquivo Pessoal

    .“Estava em minhas redes sociais quando percebi que todos viam o indígena com aquele estereótipo que a maioria das pessoas de 'fora' conhecem e me dei conta que a sociedade precisava nos enxergar de uma forma diferente da que estamos conhecidos e habituados”, ressalta.

    “Mostro como vive uma indígena do século 21” 

    A influenciadora digital comentou que seu conteúdo é focado em suas paixões
    A influenciadora digital comentou que seu conteúdo é focado em suas paixões | Foto: Reprodução/ Instagram

    A influenciadora digital comentou que seu conteúdo é focado em suas paixões, mostrando comidas típicas, artesanato, agricultura e plantas para fins medicinais e, para ela este é o bem mais precioso.

    “Foquei no meu cotidiano, minhas paixões e simplesmente mostrei e continuo mostrando as minhas comidas típicas, atividades econômicas como a agricultura e artesanato, o uso de plantas tanto para fins medicinais como estéticos e os objetos naturais que fazem parte das nossas vestimentas e o mais importante, mostro as nossas tradições. Mostro como vive uma indígena do século 21. Esse é o meu bem mais precioso", revela.

    Preconceito

     A indígena da etnia Baré conta que com o apoio da mãe, irmã e namorado iniciou o trabalho nas mídias sociais. A partir daí observou o modo como as pessoas gostam de tradições e culturas, então continuou a gravar mais conteúdo. 

    “A minha mãe, minha irmã e meu namorado sempre me ajudaram. Mas o que me alimentava mesmo era saber como as pessoas se impressionavam vendo as tradições e culturas, então fui querendo gravar mais. Antes tinham pessoas que tiraram sarros de mim por querer ser uma blogueira indígena. Mas hoje, com muito orgulho levo minha comunidade parque das tribos e meu lindo município São Gabriel da cachoeira para o mundo ver”, revela. 

    Atualmente, Maragua vive na comunidade Parque das Tribos
    Atualmente, Maragua vive na comunidade Parque das Tribos | Foto: Reprodução/Instagram

    Atualmente, Maragua vive na comunidade Parque das Tribos, localizada no bairro Tarumã e afirmou que a comunicação abriu portas para indígenas terem um lugar a mais na sociedade, não apenas mulheres indígenas como também pretas e nordestinas.

    Maragua relatou que dentro das mídias sociais os indígenas são vistos com 'estereótipos'
    Maragua relatou que dentro das mídias sociais os indígenas são vistos com 'estereótipos' | Foto: Divulgação

    “Essa comunicação nos permite estar informados, manter o contato com amigos e familiares, reduzindo a sensação de isolamento. Sem falar que abriu portas para termos um lugar maior na sociedade não só para mulheres indígenas, mas para mulheres pretas e nordestinas”, comentou.

    Com postagens diárias nas redes sociais, a jovem influencer faz sucesso na internet compartilhando a sua paixão pela cultura dos povos indígenas. 

    Leia Mais:

    Dezembro Vermelho: Prefeitura de Manaus faz ação social com indígenas

    Funai é notificada por não prestar serviços à comunidade indígena

    Coronavírus e indígenas: um novo extermínio dos povos tradicionais