Fonte: OpenWeather

    Pandemia


    Câmaras frigoríficas são instaladas em cemitério público do Tarumã

    A Semasc também vai instalar no cemitério Nossa Senhora Aparecida um micro-ônibus, que permanecerá no local 24 horas, para atender as demandas do serviço, dando mais agilidade aos trabalhos.

     

    A medida visa atender às vítimas da Covid-19, que morrerem nos horários em que os cemitérios estão fechados
    A medida visa atender às vítimas da Covid-19, que morrerem nos horários em que os cemitérios estão fechados | Foto: Divulgação

    Manaus - A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), instalou no cemitério público Nossa Senhora Aparecida, localizado no bairro Tarumã, zona Oeste, duas câmaras frigoríficas que irão prestar suporte ao SOS Funeral, da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc). 

    A medida visa atender às vítimas da Covid-19, que morrerem nos horários em que os cemitérios estão fechados, garantindo o cuidado com os corpos para o sepultamento. As câmaras têm capacidade para armazenar até 60 caixões e começarão a ser utilizadas, a partir desta quinta-feira, 14/1. 

    “O secretário Sabá Reis e eu acompanhamos a instalação dessas câmaras e esse serviço será fundamental para melhorar nosso atendimento, evitando  qualquer transtorno e prejuízo relacionados ao não reconhecimento”, afirmou a secretária da Semasc, Jane Mara Moraes. 

    Sobre o SOS Funeral

    O serviço SOS Funeral oferece gratuitamente cortejo, remoção, translado fúnebre, doação de urna funerária, isenção da taxa do sepultamento e o atendimento psicossocial às famílias no perfil de vulnerabilidade social e econômica, que não podem arcar com os custos nos casos de mortes ocorridas em qualquer circunstância no município de Manaus. O serviço funciona 24 horas, todos os dias. Os números de atendimento são o 3215-2649 e o 3631-9983.

    *Com informações da assessoria

    Leia Mais:

    Justiça Federal suspende provas do Enem no Amazonas

    MP vai acompanhar contrato do Governo do AM com Hospital Nilton Lins

    David Almeida não descarta lockdown em Manaus, caso situação piore