Fonte: OpenWeather

    Aumento


    Parceria contribui para expansão no número de leitos no Amazonas

    Setores de Planejamentos e Projetos da UGPE e técnicos contratados da Ciama se somam aos esforços da SES-AM

     

    | Foto: Tiago Corrêa/UGPE

    Somando-se aos esforços de toda a estrutura estadual empregados na força-tarefa do Governo do Estado no combate a disseminação da Covid-19, a Unidade Gestora de Projetos Especiais (UGPE) vem contribuindo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) para oferecer respostas rápidas na adequação de projetos de engenharia e arquitetura, visando a otimização dos espaços físicos existentes para maximizar o número de leitos clínicos e Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs).

    A equipe é composta por profissionais da UGPE e contratados da Companhia de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Ciama), a serviço da UGPE. A equipe multidisciplinar possui técnicos, arquitetos, engenheiros civis, eletricistas, mecânicos e especialistas em gases, e está atuando desde os primeiros dias de 2021, após o aumento do número de casos e consequentes internações ocasionados pelo novo coronavírus.

    O engenheiro civil contratado da Ciama, Florentino Machado, afirmou que os profissionais da UGPE inseridos na força tarefa da SES-AM, estão empenhados e atuando em caráter de emergência visto a necessidade da urgência das ações.

    “Esse é o maior desafio profissional que me foi dado em toda minha vida. O desenvolvimento de minhas atividades como engenheiro civil junto aos colegas da UGPE está contribuindo para salvar vidas e proporcionar um espaço digno e satisfatório à população e aos profissionais da saúde”, afirmou Florentino.

    “Nós queremos salvar vidas, o máximo de vidas possível nesse momento, então o governador Wilson Lima está comandando de maneira muito competente essa cooperação entre todos os órgãos. E os nossos funcionários vestiram a camisa e estão tendo experiências de vida que nunca irão esquecer. Eles estão ajudando a salvar vidas, o que, neste momento, é missão de todos”, afirmou o diretor-presidente da Ciama, Aluízio Barbosa.

     

    | Foto: Tiago Corrêa/UGPE

    O coordenador executivo da UGPE, Marcellus Campêlo, afirma que o Amazonas está diante de uma crise sanitária sem precedentes, superando inclusive a primeira onda da pandemia. O coordenador ressalta que, em 13 de dezembro do ano passado, foram registradas 23 novas internações por Covid-19. Em um espaço de 30 dias, com uma nova cepa do novo coronavírus (SARS-CoV-2), em 14 de janeiro, o Estado registrou 258 novas internações, um volume mais de 10 vezes superior.

    “O que temos notado hoje mundialmente é que não existe estrutura hospitalar e sanitária apta a suportar um aumento abrupto na demanda por leitos hospitalares e principalmente de UTIs. Aqui por exemplo, a estrutura da rede hospitalar particular entrou em colapso antes da rede estadual, tendo inclusive veiculado comunicados na imprensa sobre a não existência de leitos, o que colaborou para o aumento de internações na rede pública”, afirmou Campêlo.

    Leia mais:

    Amazonas recebe mais 70 respiradores doados pelo Ministério da Saúde

    Instalação de usinas de oxigênio auxilia no abastecimento do insumo

    Família que quis dar carro por UTI consegue vaga após apelo, em Manaus