Fonte: OpenWeather

    Medida


    Mudança de planos: a reviravolta no dia a dia durante a pandemia

    Mesmo após a vacinação, os cuidados ainda devem permanecer

     

    O que era esperado ser algo passageiro continua se prolongando por dias
    O que era esperado ser algo passageiro continua se prolongando por dias | Foto: Getty Images

    Manaus (AM ) -  Era só mais um dia normal em 2020, ninguém aguardava pela chegada de um surto mundial, projetos pararam, viagens adiadas e regimes de trabalho modificados. O foco se tornou a saúde, o álcool em gel na bolsa e a máscara são essenciais para ir a qualquer lugar.  Com o modo pandemia ativado, a noção de tudo foi alterada.

    O que era esperado ser algo passageiro continua se prolongando por dias, a insegurança e a falta de controle diante da situação, além de outras ameaças como a perda de emprego, falta de renda e instabilidade financeira, resultam na população que sonha com a vacinação.

    A educação foi umas das maiores áreas afetadas, com a suspensão das aulas presenciais, professores e alunos tiveram que migrar para o virtual, tendo algumas dificuldades no caminho, relatou a professora de escola pública, Márcia de Castro.

    “Toda mudança assusta. Até as planejadas. Imagine as que surgem com urgência. Suspensão de aulas presenciais e não termos o preparo de EAD e muito menos todos os alunos e professores têm acesso tão fácil à tecnologia. Não há comparação com particular. Realidades totalmente diferentes sem covid, imagine com o vírus.  Acompanhar todos os alunos e avaliar foi bastante difícil”, contou.  

    A adaptação obrigatória resultou no pensamento de que a tecnologia mais avançada não pode superar a presença do professor na vida do aluno.

    “No momento não estou bem e assim como eu, outros professores entraram em estado de ansiedade, se preocupando com alunos, se tiver um lado positivo foi o de observar que nenhuma tecnologia supera a presença do professor na vida do aluno”, disse a professora.

    Saúde mental e atendimentos

     

    Atendimento on-line se tornou comum para psicólogos e pacientes
    Atendimento on-line se tornou comum para psicólogos e pacientes | Foto: Reprodução/ Tomás Arthuzzi

    Em 2021 o problema permanece, não tem rosto e não dá para fugir, qualquer coisa pode disparar a tensão a todo instante. Uma jornada mental que pode acabar e deixar sequelas após o término da pandemia. 

    Acostumado com uma rotina de estudo e trabalho, Fabiano Borges, relatou que tudo no início foi bem estranho, se sentia incapaz e sem nenhuma inspiração para fazer algo, tudo foi alterado, não dava para saber o que era local de casa e local de trabalho.

    “Eu me senti muito mal no início. A maior parte dos dias ficava triste, pensando na situação, são milhares de pessoas morrendo. Não conseguia atrelar meus estudos e o trabalho virtuais, quando tentava ficava ansioso, mal pela situação, hoje não mudou muito, mas sei me controlar”, disse.

    Para quem trabalha como psicólogo, o atendimento on-line foi a melhor opção, ainda que tenha gerado desconfiança em pacientes durante o processo terapêutico, além do esforço em manter o paciente calmo e que aguardasse o atendimento individual, relatou a psicóloga Camila Gadelha.

    “A mudança principal foi sair do consultório e ficar exclusivamente no atendimento on-line. Como já atendia na modalidade on-line, então para mim a adaptação foi tranquila, para alguns pacientes percebi que houve desconfiança e insegurança se o processo terapêutico continuaria acontecendo da mesma forma que acontecia da terapia presencial. Então percebo que meu principal esforço foi em me manter paciente e calma para esperar que cada um dos pacientes, de forma individual, tivesse seu tempo para se adaptar”, comentou.

    A psicóloga Andressa de Souza conta que durante a pandemia aumentou a procura pelo atendimento. “Com a pandemia, houve significativa procura de pacientes relatando sinais e sintomas de ansiedade, depressão, transtornos pós-traumáticos, TOC (transtorno obsessivo compulsivo), entre outros”, pontuou.

    Hábitos de higiene em 2021

     

    Apesar de vacinação, os cuidados ainda devem ser mantidos
    Apesar de vacinação, os cuidados ainda devem ser mantidos | Foto: Getty Images

    Anos anteriores alguém poderia ser chamado de maníaco por limpeza se utilizasse produtos de higienização em embalagens de alimentos e outros produtos, mas em 2021 os mesmos hábitos continuam.

    O epidemiologista da Fiocruz Amazônia, Jesem Orellana, explicou que os mesmos cuidados no início da pandemia devem permanecer, ainda mediante a vacinação.

    “Uso de máscara, distanciamento social, higienização das mãos, mesmo com vacina, estes cuidados devem continuar. Devemos lembrar que as vacinas, em geral, protegem contra formas leves e graves, mas não contra a infecção. Por isso, devemos manter as precauções, mesmo vacinados. Só aí conseguimos conter a epidemia, o que na prática não alcançaremos em 2021”, enfatizou o epidemiologista.

    Leia Mais:

    Pandemia foi pior para negros e mulheres no mercado de trabalho

    Países buscam crescimento, mas 2021 pode não ser animador

    Da produção ao destino final: o caminho da vacina para o Amazonas