Fonte: OpenWeather

    Covid-19


    SPA Danilo Corrêa registra mais nove altas de pacientes em Manaus

    Com as nove dessa semana, o SPA Danilo Corrêa já soma 12 altas somente em fevereiro

     

    Uma das pacientes recuperadas, a costureira Raimunda Vieira, comemora a alta médica
    Uma das pacientes recuperadas, a costureira Raimunda Vieira, comemora a alta médica | Foto: Divulgação/Secom

    Manaus - O Serviço de Pronto Atendimento (SPA) e Policlínica Danilo Corrêa registrou nove altas de pacientes internados para tratamento de Covid-19, entre a sexta-feira (06/02) e a manhã deste sábado (07/02). Com isso, a unidade de saúde, localizada na zona norte de Manaus, chegou a 12 altas nos seis primeiros dias de fevereiro. No mês de janeiro, a unidade registrou 47 altas médicas.

    A costureira Raimunda Alves Vieira, 62 anos, foi uma das pacientes liberadas pela policlínica na manhã deste sábado. Na saída, familiares aguardavam ansiosos para levá-la para casa. “Nada melhor do que voltar para casa. Vou ficar de repouso por 10 dias, só comer e dormir, não tem nada melhor do que isso”, comemorou a costureira.

    “Fui bem tratada mesmo, com muito respeito, agradeço muito o pessoal daqui. O tratamento foi VIP”, enfatizou Raimunda, agradecendo o acompanhamento médico recebido na unidade, onde ficou internada por três dias.

    Uma das cuidadoras da costureira foi a enfermeira Lídia Amoêdo. “Para a gente é uma emoção ímpar, saber que essas pacientes chegaram bem mal, em estados críticos, e nós conseguimos reverter. Isso é gratificante demais para a gente, que batalha e luta junto com eles”, afirmou Lídia. A profissional explicou que, para que os pacientes pudessem ser liberados, foram realizadas sessões de fisioterapia acompanhadas de um médico e um fisioterapeuta da clínica.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Amazonenses tratados em outros estados aos poucos voltam a normalidade

    Hospital Platão Araújo passa a ter própria para a geração de oxigênio

    Amazonas já transferiu 506 pacientes para desafogar hospitais